Opiniao

Frente e Verso

Conheço a imagem mesmo antes de existir nos olhos do fotógrafo. A ria algarvia, o equilíbrio instável das mulheres, as cores, o céu de Verão. 

Nas imagens acontece-nos como nas pessoas, sem tirar nem pôr. Conhecer de vista (uma imagem ou uma pessoa) não é a mesma coisa que ser amigo; mas saber que existem pessoas e lugares que me são familiares, mesmo que com ela nunca tenhamos trocado uma palavra, tranquiliza-nos tanto ou mais que uma boa conversa.

Fazem parte do nosso mundo, acompanham-nos, apaziguam-nos. Sentimo-nos em casa quando chegam, a sua previsibilidade conforta-nos. Quando mudamos de horário, de lugar, casa ou país é também deles que ficamos órfãos. São a nossa mobília invisível, uma espécie de família. 

luis.osorio@sol.pt