Economia

Novo Banco faz aumentar défice de 2014 para 7,2%

O défice orcamental do ano passado foi revisto de 4,5% para 7,2% do PIB devido ao impacto do Novo Banco. O Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou hoje que os 4,9 mil milhões de euros injetados na instituição em Agosto de 2014 foram contabilizados na íntegra nas contas públicas desse ano.

 


Se o Novo Banco tivesse sido vendido em menos de um ano desde o resgate, as regras contabilísticas obrigavam apenas a registar o prejuízo efetivo com a operação: a diferença entre o preço de venda e os 4,9 mil milhões. Com o adiamento da venda e tendo já passado mais de um ano desde o resgate, tem de ser contabilizada toda a capitalização do antigo BES.

"As revisões dos resultados para 2014 refletem, sobretudo, a inclusão de 4,9 mil milhões de euros relativo à capitalização do Novo Banco como transferência de capital", explica o organismo de estatística.

Quanto ao défice para este ano, o Governo mantém a intenção de atingir 2,7% do PIB, mas outros dados de contabilidade pública também conhecidos hoje mostram que o Executivo está  longe desse objetivo. Segundo o INE, o saldo orçamental ficou em 4,7% nos primeiros seis meses do ano.

joao.madeira@sol.pt