Internacional

Volkswagen e Audi forçadas a devolver prémios ambientais

O grupo Volkswagen enganou tudo e todos com o seu software que falseia as emissões. Tanto que dois dos modelos envolvidos agora neste escândalo à escala mundial venceram prémios ambientais nos Estados Unidos, e um terceiro foi finalista. Agora, Volkswagen e Audi têm devolver os seus galardões ‘Green Car Award’.

Foi em 2009 que a Volkswagen levou a concurso o seu Jetta. A marca estava ansiosa por mostrar os desenvolvimentos tecnológicos conseguidos para o modelo familiar nesse ano, e garantiu logo o prémio com o Jetta TDI Clean Diesel. Sete anos depois, foi esse um dos primeiros modelos a serem identificados como tendo o software malicioso que reduz as emissões apenas quando o carro está num banco de testes. Os concorrentes eram o BMW 335d, o Ford Fusion Hybrid, o Saturn Vue 2 Mode Hybrid e o Smart Fortwo.

A lista de 11 milhões de carros do grupo alemão com aquele software começa precisamente em 2009, pelo que a Volkswagen ganhou um prémio ambiental – possivelmente outros um pouco por todo o mundo – logo no ano em que começou a usar o software que acabava por prejudicar o ambiente. 

Um ano depois, em 2010, o grupo Volkswagen voltou à carga nos Green Car Awards com dois modelos finalistas, saindo mais uma vez vencedor. O Audi A3 TDI Clean Diesel foi o premiado, deixando para trás o Volkswagen Golf TDI. Tanto um como outro constam da ‘lista negra’ da Volkswagen. Os outros finalistas eram o Honda Insight, o Mercury Milan Hybrid e o Toyota Prius.

O prémio Green Car Award foi instituído em 2006 pela revista norte-americana Green Car Journal, criada em 1992 pelo empresário Ron Cogan. Em dez edições – que já premiaram modelos das marcas Mercury (já desaparecida), Toyota, Chevrolet, Volkswagen, Audi, Honda, Ford e BMW – foi a primeira vez que os prémios tiveram de ser retirados.

emanuel.costa@sol.pt