Sociedade

Procura de copos menstruais dispara

Foi a preocupação com o ambiente que levou Inês, de 27 anos, a experimentar a ‘cup’, o nome dado ao copo menstrual pelas suas utilizadoras. Antes de utilizar este produto - que recolhe o fluxo, em vez de o absorver como os tradicionais pensos higiénicos e tampões - procurou informar-se. “Comecei por ler artigos na internet, sobretudo em sites ecologistas e interessou-me”, conta a jovem lisboeta ao SOL. O valor, porém, era um entrave: “Não queria gastar muito dinheiro” - os preços oscilavam na altura entre os 20 e os 30 euros.

Mas quando, há cerca de um ano e meio, lhe apareceu no feed de notícias do Facebook uma promoção de um copo menstrual que poderia comprar, na página da Fleurcup, a marca em causa, por menos de dez euros, Inês não hesitou. Encomendou o copo que, como descreve, alterou a forma como se relacionava com o próprio corpo. “Mudou a minha vida e o contacto com o meu corpo”, garante.

A experiência de Inês ilustra uma preferência de cada vez mais portuguesas por esta alternativa ‘amiga do ambiente’ que entrou recentemente na ribalta mediática por constar no programa eleitoral do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), partido que elegeu um deputado nas últimas legislativas.

20 mil copos em cinco anos

Segundo dados da consultora IMS Health avançados ao SOL, foi há cerca de um ano que a procura de copos menstruais disparou em farmácias e parafarmácias: em apenas três meses foram vendidos 477. Desde então, a procura deste produto reutilizável em silicone não parou de aumentar.

Só nos primeiros seis meses de 2015, foram vendidas 1.854 ‘cup’, quase tantas como as 2.142 compradas nos dois anos anteriores juntos (ver infografia).

E a venda direta nas farmácias está longe de ilustrar a realidade. Só a Pegada Verde, empresa da zona de Torres Vedras dedicada à venda de todo o tipo de produtos ambientalmente sustentáveis, que representa a finlandesa Lunette em Portugal vendeu, desde 2009, 20 mil unidades de copos pelos diferentes canais de distribuição, diz uma das responsáveis da empresa, Sofia Catarino: “O online começou por ser o ponto de venda inicial”, refere, acrescentando. “Mas estendeu-se rapidamente a outros canais - farmácias, lojas de produtos naturais, clínicas”.

A Lunette foi uma das primeiras marcas a aparecer no país, há cinco anos, mas hoje há já várias empresas que comercializam estes produtos, como a Easycup, a Meluna ou a Sangool Copo, marcas que constam nas estatísticas da IMS Health.

‘Cup’versus tampões

Um dos principais atrativos do copo menstrual para quem o usa é a sua reutilização, que pode estender-se por cinco anos. Foi precisamente o motivo que levou Isabel Martinez, atriz e desportista, a decidir experimentá-lo. “Eu já reciclava, e apercebi-me da quantidade de resíduos que, nós, mulheres, produzimos com os pensos e os tampões”, conta a jovem de 23 anos.

Uma invenção americana

O destino destes produtos compostos por algodão é, muitas vezes, a incineração ou o aterro, explica, por seu lado, Carmen Lima, especialista em resíduos da associação ambientalista Quercus: “Mesmo que sejam produzidos com materiais biodegradáveis, não são separados no lixo doméstico”. E em aterro, por exemplo, ficam sem oxigénio e, portanto, não têm como biodegradar-se, permanecendo por dezenas de anos no subsolo, aponta a mesma especialista.

Oriundas nos EUA, onde começaram a ser utilizadas já nos anos 30, as ‘cup’ chegaram à Europa já este século, através, sobretudo de países do Norte, como a Finlândia ou Holanda, onde a consciência ambiental é uma das prioridades.

Em Portugal, começaram por ser mulheres com mais de 30 anos a experimentar esta alternativa, em 2009 e 2010, refere a responsável da Pegada Verde, Sofia Catarino. “Inicialmente notámos que a procura se dava mais entre mulheres a partir dos 30. Um público mais informado, que conhece e se sente mais à vontade com o seu próprio corpo”. Neste momento, porém, a procura, já está “distribuída por idades”.

E grande parte das pessoas que aderem a esta alternativa são mulheres entre os 20 e os 30 anos. Inês, por exemplo, não conseguiu convencer a mãe, que “acha muito estranho e desconfortável usar um copo durante o ciclo”. Mas, garante, ela própria ficou “tão satisfeita com a experiência” - passadas as dificuldades iniciais de colocação, que ultrapassou em poucos dias -, que já tem pelos menos cinco amigas que utilizam a ‘cup’. “Só tenho de o mudar de 12 em 12 horas, durante o banho. Nunca o sinto e também me permite perceber que o período não tem nada de sujo, é natural, faz parte do facto de eu ser biologicamente mulher”, conta.

‘Mudou a minha vida’

O mesmo entusiasmo é partilhado por Isabel. “Faço imenso exercício”, conta a jovem que descobriu o copo há cerca de um ano através da namorada. “É ótimo! Parece que estou a fazer publicidade, mas é verdade: Mudou a minha vida”, diz, lembrando que tanto os pensos como os tampões, que não voltou a usar, “eram bastante desconfortáveis”.Como Inês, no início precisou de adaptar-se: “Foi um pouco difícil. Consegui para aí na terceira tentativa, mas depois simplificou-me tanto a vida que comecei a recomendar às minhas amigas”. E desmistifica: “É mais higiénico e é fácil de lavar. Além disso, faz-me sentir mais segura, porque não posso estar a sair dos ensaios para trocar o tampão”.

Para Simone, estudante de jornalismo de 22 anos, que começou a utilizar o copo menstrual há cerca de dois, foram as questões ecológicas que começaram por pesar. “Cresci a ouvir os professores a falar na necessidade de proteger o planeta. Quando soube que havia esta alternativa, pareceu-me uma forma de contribuir”. O conforto que sentiu fê-la optar definitivamente pela ‘cup’.

Uma questão de saúde

Estudos realizados em 2011 pela Universidade da Beira Interior em parceria com a Associação Portuguesa de Ginecologia e a Pegada Verde, concluem que a utilização destes copos menstruais é segura para a saúde feminina. Segundo Angélica Barros, uma das autoras das investigações que envolveram 200 mulheres, uma das vantagens em relação aos pensos higiénicos e tampões é o facto de o copo produzir menos bactérias. Além disso, de acordo com os estudos, este produto não aumenta o risco de certas doenças, como infeções urinárias e ginecológicas, ao contrário do que sucede com os métodos mais tradicionais.

sonia.balasteiro@sol.pt