Politica

Assunção Cristas despediu-se hoje do cargo

A ministra da Agricultura e Mar Assunção Cristas despediu-se hoje do cargo apresentando oficialmente o novo navio de investigação oceanográfica 'Mar Portugal', prometido desde 2011, e que vem substituir o antigo 'Noruega'.

 

Assunção Cristas tinha anunciado a intenção de adquirir uma nova embarcação ao abrigo de um programa de ajuda financiado pela Noruega (EEA Grants) no início da legislatura, mas o processo acabou por ser mais demorado do que se previa inicialmente.

Lembrando que "o 'velhinho' Noruega tinha muitas restrições e muitas dificuldades de navegação", a ministra adiantou que "desde logo ficou clara a necessidade" de adquirir um novo navio, mesmo que em segunda mão, para "fazer toda a investigação em várias áreas desde a oceanografia até à parte ligada à pesca e aos recursos biológicos".

Foi, no entanto, necessário assegurar primeiro o financiamento do navio que custou 13 milhões de euros, dos quais nove milhões de euros pagos pelos noruegueses, ficando os restantes quatro milhões a cargo do Estado português.

"Foi essa a primeira dificuldade, encontrar o financiamento", reconheceu Assunção Cristas explicando que foi preciso reprogramar os fundos EEA Grants, "uma negociação que demorou o seu tempo", seguindo-se o "levantamento concreto das necessidades" e o lançamento de um concurso público internacional que "implicou muito trabalho técnico".

Sobre as vantagens do novo navio, realçou que permite a acomodação de 30 investigadores, mais a tripulação, e está equipado "com um conjunto muito relevante de equipamento para a investigação oceanográfica", faltando incluir apenas as artes de pesca.

O equipamento está ao serviço do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), mas Assunção Cristas sublinhou que o objetivo é envolver toda a comunidade científica nacional.

Quanto aos custos operacionais "são superiores, certamente", já que o navio é maior e tem outras possibilidades e, por isso, "o desafio é conseguir que [o Mar Portugal] faça o maior número de dias de mar possível" para aproveitar "as sinergias das várias viagens que já estão programadas".

Questionada sobre se Cavaco Silva deve optar por um governo de gestão ou dar posse a uma maioria de esquerda, caso o Governo do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, que indigitou na quarta-feira, seja chumbado na Assembleia da República, a ministra preferiu não se alongar em comentários.

"Tratando-se do meu último ato como ministra do Mar deste Governo compreenderá que não vá fazer considerações. Essa será uma reflexão que o senhor Presidente da República terá de fazer, certamente os partidos terão também de a fazer e oportunamente será feita", respondeu.

Lusa/SOL