Sociedade

Há mais duas aves em risco de extinção em Portugal

A rola-brava e o zarro passaram a ser consideradas espécies em risco de extinção, passando ambas a constar na categoria ‘Vulnerável’ na Lista Vermelha das Espécies em Vias de Extinção da União Internacional de Conservação da Natureza (UICN), anunciou hoje a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA). 

Esta inclusão na lista daquela organização internacional, referência mundial para a conservação das espécies, e que mostra pela primeira vez o grau de ameaça a que chegaram as duas aves, ambas caçadas no país, sublinha a SPEA, “demonstra a urgência de alterar a legislação de caça em Portugal e noutros países onde existem”.

A informação da SPEA é traduzida da Lista Vermelha, uma ferramenta criada pela UICN em colaboração com a BirdLife International em 1963, para avaliar com critérios objetivos qual o grau de ameaçada de extinção para cada espécie.

Em todo o mundo existem 197 espécies em estado ‘Criticamente Ameaçado’ de extinção, que “necessitam de ação urgente de recuperação e de conservação e devem ser portanto prioridades pelas entidades que se preocupam com a conservação das espécies”, nota a SPEA.

Lei permite caça de espécies ameaçadas 

Na lista vermelha de de 2015, mais de 40 espécies de aves viram o seu estatuto de conservação agravar-se, e ntre as 77.340 espécies avaliadas. É o caso da rola-brava, uma ave migradora que ainda é caçada em Portugal “apesar das evidências de programas de monitorização levados a cabo pela SPEA, que demonstram um decréscimo muito acentuado, de cerca de 40% na última década”, lamentam os epsecialistas.

O zarro, uma espécie de ave migradora da família dos patos, está em situação semelhante, “com diminuições drásticas nas suas populações”.

Com base nestes dados, avisa a organização científica portuguesa, “ambas as espécies devem deixar de ser caçadas como medida de conservação, o que requer uma reação rápida e eficaz das entidades oficiais através da alteração do calendário venatório e da suspensão da sua caça”.

sonia.balasteiro@sol.pt