Politica

Paula Teixeira da Cruz diz ter sido ameaçada e agredida quando era ministra

A antiga ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, disse em entrevista à Sábado ter sido ameaçada e agredida durante os anos que esteve no Governo.


Paula Teixeira da Cruz diz que, a partir de 2012, sofreu vários episódios dramáticos: dispararam tiros na casa da filha, entraram em sua casa e chegaram mesmo a fazer-lhe golpes nos braços.

"O que eu tive de ter foi força para não deixar intimidar-me, não alterar a minha vida, não ter medo, nada disso", disse à Sábado.

No último caso referido, Paula Teixeira da Cruz foi encontrada em casa pela irmã com vários golpes na zona interior do braço direito e no exterior do braço esquerdo. Na altura, a então ministra terá dito à irmã que adormecera no sofá e que acordara com os golpes. Mas, segundo a mesma revista, lembrava-se de ter visto um vulto. "O corte mais profundo foi no braço esquerdo e eu sou canhota", afirmou.

A antiga ministra revelou ainda que recebeu um rato morto dentro de um envelope, enviado para a Assembleia da República.

Paula Teixeira da Cruz diz que desde que saiu do Governo "aconteceu uma ou outra coisa, mas acabou tudo por desaparecer”. A antiga ministra da Justiça afirma que, ao longo de todo este processo, nunca pediu reforço da segurança nem apresentou queixa formal. "Acho que estas coisas quando têm de acontecer acontecem", justificou.

Os comentários estão desactivados.