Desporto

Fórmula 1. A Mercedes já é a grande vencedora

Nico Rosberg e Lewis Hamilton chegam a Abu Dhabi com 12 pontos de diferença, favoráveis ao alemão

Deve estar a pensar: “Já vi isto em algum lado.” E tem razão. Em 2014, Lewis Hamilton e Nico Rosberg disputaram, pela primeira vez, o título de pilotos de Fórmula 1 em Yas Marina, Abu Dhabi. Há dois anos, Hamilton levou a melhor sobre o colega desde a largada e conquistou o bicampeonato. Este domingo, o cenário pode estar favorável para o piloto alemão conquistar o primeiro título da carreira.

Cenário 1: Se Hamilton continuar no grande momento de forma, depois de vencer as três últimas provas, e vencer em Abu Dhabi, Rosberg pode dar-se ao luxo de ficar em 3.o e, mesmo assim, tornar-se campeão.

Cenário 2: Se Hamilton terminar em 2.o lugar, Rosberg iguala o feito do seu pai – Keke Rosberg, com a conquista de um título mundial em 1982 – se terminar em 6.o lugar.

Cenário 3: Caso o piloto britânico conquiste o último lugar do pódio, bastará ao alemão apenas o 8.o lugar para fazer a festa.

Cenário 4: Se Hamilton não entrar no pódio, Rosberg não precisa sequer de pontuar em Yas Marina.

Cenário 5: Se Rosberg subir ao pódio, o sonho acaba de imediato para o piloto britânico – algo que pode não ser tão complicado de fazer para Rosberg, dado que subiu ao pódio em 15 das 20 corridas ao longo da temporada. O alemão só não ficou entre os três melhores no GP de Espanha, corrida em que não traçou a meta depois de uma colisão com o colega de equipa, Hamilton – que também abandonou o circuito no GP do Mónaco (sétimo classificado), Canadá (quinto), GP da Áustria (quarto) e GP da Alemanha.

Apesar de as probabilidades estarem a seu favor, Rosberg confessou que não olha para a última corrida da mais longa temporada de Fórmula 1 de maneira especial. “Tenho de olhar para esta corrida como outra qualquer. Neste desporto nada é fácil e ainda preciso de um bom resultado”, afirmou o alemão, que parte na frente de Hamilton.

Apesar das dificuldades que Hamilton sabe ter, o tricampeão não desiste de continuar a marcar o seu nome na história da Fórmula 1.

“Estou a encarar estatísticas quase impossíveis, mas não posso e não vou desistir. Vou abordar esta prova como todas as outras. Quero ganhar e vou fazer tudo para acabar a temporada com nota positiva”, garantiu.

Uma coisa é certa: tal como em 2014, independentemente do duelo Rosberg versus Hamilton, a Mercedes prepara- -se para celebrar o título.