Opiniao

Portugal tem tudo para o Mundial em cadeira de rodas

Portugal recebeu esta semana a fase de qualificação europeia do Campeonato do Mundo de Ténis em Cadeira de Rodas, um evento que costumava realizar-se na Turquia e que a Federação Internacional de Ténis preferiu transferir para outro país, devido a questões de segurança.

A situação não é nova. Há exatamente um ano, a Associação Europeia de Golfe solicitou à Federação Portuguesa de Golfe que realizasse o confronto entre as seleções amadoras da Europa e da Ásia-Pacífico, por alguns jogadores se recusarem a competir na Turquia. Em apenas três meses, a FPG mostrou a prestigiada prova no Vidago Palace Golf Course e foi um sucesso.

Todos sabemos, também, como o turismo tem crescido significativamente em Portugal desde que alguns dos destinos turísticos que competiam diretamente connosco começaram a enfrentar sérios problemas de segurança.
Nesta conjuntura é importante saber agir no curto prazo e delinear a estratégia a longo prazo e a Federação Portuguesa de Ténis (FPT) esteve à altura do desafio.

Assim que se soube do desejo da ITF em realojar esta fase de qualificação europeia do Campeonato do Mundo de Ténis em Cadeira de Rodas, o presidente da FPT e o secretário-geral, respetivamente Vasco Costa e Santos Costa (não são familiares), aproveitaram uma conversa que, por outros motivos, já estava agendada na sede da ITF, em Londres, e manifestaram o desejo de receber o evento.

Houve outros países interessados, mas a FPT conseguiu a melhor resposta ao caderno de encargos e o próprio Vasco Costa considerou vital no processo a cooperação do empresário Pedro Frazão, da Premier Sports, proprietário da Vilamoura Tennis Academy.

Vilamoura é ideal para desporto adaptado. O terreno é plano e as suas infraestruturas hoteleiras, desportivas e demais equipamento social são ‘amigas’ das cadeiras de rodas.

Alistair Williams, o responsável máximo do Departamento de Ténis Adaptado da ITF, tem estado toda a semana em Vilamoura e está encantado com o que viu, tal como os 50 jogadores de 15 países que nos visitaram.

Não é impossível pensar que a FPT e a Premier Sports possam um dia trazer a Portugal a Fase Final do Mundial de Ténis em Cadeira de Rodas, que este ano se disputa em maio, na Sardenha, em Itália.

A probabilidade de sucesso de uma candidatura dessas é superior à de acolhermos o Masters de ténis e a verdade é que João Lagos provou que não existem impossíveis. Em 2000 os melhores tenistas do Mundial vieram mesmo a Lisboa jogar o Masters, no então Pavilhão Atlântico (atual MEO Arena).O Arena).