Internacional

United Airlines. Mais um passageiro expulso sob ameaça

A companhia norte-americana é reincidente no mau atendimento dos seus passageiros.

O recente caso de um passageiro expulso à força de um voo da United Airlines, em overbooking, parece estar a desenterrar outras situações semelhantes que ocorreram na mesma companhia aérea norte-americana.

David Dao foi arrastado pelo avião porque se recusou a abandonar a aeronave, numa cena que ficou gravada em vídeo e partilhada por todo o lado, gerando uma ondas de críticas à United Airlines, que entretanto já apresentou um pedido de desculpas público.

Mas este caso está longe de ser o único, sabe-se agora que uma semana antes desta expulsão, um outro passageiro foi forçado a ceder o seu lugar em primeira classe, sob ameaça de ser expulso à força com recurso a algemas.

Geoff Fearns pagou 1000 dólares, mais de 940 euros, por um bilhete em primeira classe num voo da United Airlines entre uma das ilhas do Havai e Los Angeles, e já estava sentado no seu lugar quando um funcionário da transportadora o informou de que teria de sair.

Assim como David Dao, Geoff Fearns recusou ceder o lugar e exigiu saber por que teria de sair do avião. Ter-lhe-ão respondido que o voo estava sobrelotado e que alguém mais importante precisava do seu lugar, segundo o Los Angeles Times.

O passageiro só cedeu sob ameaça de expulsão e de ser algemado, tendo sido ‘convidado’ a sentar-se num lugar em classe económica, entre um casal que discutiu durante as seis horas do voo.

Após o voo, Geoff Fearns pediu o reembolso do bilhete em primeira classe e uma compensação de 25 mil euros, que reverteriam para uma instituição de solidariedade. A United mandou um email a pedir desculpa, mas nada disse sobre o reembolso.

Uma semana depois a companhia vem agora mostrar-se disponível para pagar a diferença do valor entre o bilhete em económica e em primeira classe, oferecendo ainda um crédito de 660 dólares para usar num futuro voo. Mas Geoff Fearns garante que não vai voltar a voar com a United Airlines e está a ponderar avançar com um processo em tribunal.