Sociedade

Autárquicas. O regresso dos dinossauros

Estiveram no poder durante décadas e ficaram conhecidos como dinossauros do poder local. Alguns estão de regresso nas próximas eleições autárquicas. Uns apostam em reconquistar a câmara que já governaram, outros tentam a sorte noutros concelhos. Todos querem recuperar o poder. Isaltino quer voltar a colocar Oeiras no top. Narciso Miranda quer “recolocar Matosinhos no mapa” e Valentim Loureiro garante que está a ser pressionado para avançar. Vamos voltar a ouvir falar deles nos próximos meses 

Isaltino Morais. “Como se fosse a primeira vez”

Foi presidente da Câmara de Oeiras durante quase 30 anos. Em 2013, Isaltino abandonou o cargo para cumprir dois anos de prisão por fraude fiscal e branqueamento de capitais. Saiu da cadeia há quase dois anos e já apresentou a sua candidatura para voltar a colocar Oeiras “no top”. Ao i, Isaltino garantiu que avança “como se fosse a primeira vez”. O ex-autarca diz que quer criar “um programa inovador, não de mera continuidade. Quero devolver o orgulho a Oeiras. Com uma estratégia de desenvolvimento a 15 ou 20 anos”. Isaltino Morais já anda em campanha e garante que continua a sentir o “carinho” e a “simpatia” das pessoas de Oeiras. O ex-autarca do PSD volta a candidatar-se como independente, mas desta vez pelo movimento chamado “INOVAR - Oeiras de Volta”. 

Joaquim Raposo. “É um bichinho que fica sempre”

Há 24 anos que está ligado ao poder local. Começou em 1993, com a eleição para a assembleia municipal da capital nas listas da coligação “Com Lisboa”, numas eleições que recolocaram Jorge Sampaio na presidência da câmara. Quatro anos mais tarde, em 1997, inaugurou um ciclo de 16 anos consecutivos como presidente da Câmara da Amadora pelo PS. Terminou em 2013, por imposição da lei de limitação de mandatos. Nesse ano foi eleito presidente da assembleia municipal local, cargo que mantém. A 1 de outubro candidata-se pelos socialistas à presidência da Câmara de Oeiras, município que a Amadora integrou como freguesia até ser elevada a concelho, em 1979. “Gosto do poder local. É um bichinho que fica sempre. E o concelho de Oeiras tem estado parado. Esta é uma oportunidade de fazer obra”, disse ao i. 

Fernando Costa. “Gosto de ser autarca”

“Concorro à Câmara de Leiria porque gosto de ser autarca, porque o meu trabalho agrada às pessoas e porque fui convidado para avançar.” Estas foram as palavras ditas ao i pelo ainda vereador eleito pelo PSD em Loures, depois de ter sido presidente do município das Caldas da Rainha durante cerca de 28 anos (de 1985 a 2013). “Nas Caldas fui eleito sete vezes consecutivas e sempre com maioria absoluta. Acredito que as pessoas gostam do meu trabalho. Tenho a certeza de que vou deixar saudades em Loures, onde fui vereador de 2013 até agora. Em Leiria tenho a certeza de que vão continuar a gostar do meu trabalho a partir de 1 de outubro.” Fernando Costa, 67 anos, que foi também deputado, justificou porque aceitou o desafio do PSD/ Leiria: “Não podia dizer não à terra de onde sou natural.”

Avelino F. Torres. Do marco para Amarante

Avelino Ferreira Torres dirigiu durante 23 anos a Câmara Municipal de Marco de Canaveses. Eleito a primeira vez em 1982, a derradeira vitória em autárquicas neste concelho do interior do distrito do Porto aconteceu em 2001 (mandato terminou em 2005). Desde então, o polémico autarca - foi condenado por peculato, crime depois qualificado em abuso de poder e que acabou por prescrever após vários recursos - tentou regressar ao poder no Marco, mas perdeu das duas vezes que concorreu como independente, em 2009 e 2013. Foi ainda presidente do clube de futebol local, onde desenvolveu outras polémicas, passando pelo dirigismo desportivo (Conselho Nacional de Arbitragem da FPF). Para 1 de outubro já anunciou a intenção de candidatar-se à vizinha Câmara de Amarante, de onde é natural.

Valentim Loureiro. O major está de volta 

Valentim Loureiro esteve à frente da Câmara de Gondomar durante 20 anos, entre 1993 e 2013, primeiro eleito pelo PSD e depois como independente. Valentim atingiu o limite de mandatos e ficou impedido de se candidatar nas últimas eleições, mas já admitiu que poderá avançar nas próximas. “Não sou indiferente ao apelo dos gondomarenses”, disse ao jornal “VivaCidade”. A candidatura de Valentim terá sido equacionada pelo PSD/Porto, mas Passos Coelho travou o regresso do ex-autarca. O mais provável é Valentim Loureiro voltar a candidatar-se como independente. O ex-autarca disse há uma semana ao “Jornal de Notícias” que está a ser “pressionado” para voltar a candidatar-se.

Ana C. Ribeiro. “Anita” volta quatro anos depois 

Ana Cristina Ribeiro ficou conhecida por dar ao Bloco de Esquerda a única câmara a nível nacional. “Anita”, como é conhecida em Salvaterra de Magos, não se candidatou nas últimas autárquicas por já ter atingido o limite de mandatos e o BE perdeu a câmara para os socialistas. Quatro anos depois, Ana Cristina Ribeiro volta a candidatar-se nas listas do Bloco com o objetivo de reconquistar a câmara aos socialistas. Ana Cristina Ribeiro chegou à presidência da autarquia nas listas da CDU, há 20 anos, mas entrou em rutura com os comunistas e aceitou o convite do Bloco para encabeçar as suas listas como independente. Ana Cristina Ribeiro foi deputada na Assembleia Municipal de Salvaterra de Magos durante os últimos quatro anos. 

Narciso Miranda. “Não vou falar na obra que fiz”

Narciso Miranda foi eleito pela primeira vez para a câmara de Matosinhos em 1977 e esteve quase 30 anos no cargo. Volta a candidatar-se, mas garante que não está a pensar no passado. “Eu pus Matosinhos no mapa. Isso é verdade. Mas não vou falar na obra que fiz. É passado, não interessa”, diz ao i Narciso Miranda, que avança com uma candidatura independente. Narciso garante que parte a pensar no futuro para que Matosinhos seja “recolocado no mapa, seja ouvido e respeitado”. O ex-autarca, que foi expulso do PS há quase dez anos por se ter candidatado contra o partido, justifica ainda a sua candidatura com “a grande crispação que existe no mundo partidário em Matosinhos”. Narciso garante que o PSD está “esvaziado”, e o PS “esfrangalhado”. 

Fernando Seara. “Um nome experimentado” 

Fernando Seara foi presidente da Câmara de Sintra entre 2002 e 2013. Nas últimas autárquicas candidatou-se à capital, mas foi derrotado por António Costa. O comentador desportivo está de volta, mas desta vez é a aposta do PSD para conquistar a Câmara de Odivelas aos socialistas. O presidente da distrital de Lisboa do PSD, Miguel Pinto Luz, defendeu que Fernando Seara é “um autarca conhecido e reconhecido, de que Odivelas precisa para estar no mapa em que nunca esteve”. O social-democrata classificou Seara: “Um nome altamente experimentado, um homem que ganhou três maiorias absolutas em Sintra e que acreditamos que vai ganhar mais uma vez.”