Sociedade

Os Melhores Municípios para viver 2017

Como já vem sendo costume, o Instituto de Tecnologia Comportamental (INTEC) convidou os municípios a apresentarem projetos inovadores e que contribuam para a qualidade de vida nos territórios. No final do concurso, o INTEC vai distinguir os Melhores Municípios para Viver.

Os Melhores Municípios para viver 2017

Mais um ano, mais um ronda pelos projetos mais emblemáticos de diversas áreas de atuação e de diversos municípios do país. O convite a 290 autarquias partiu, como tem sido habitual nos últimos anos, do Instituto de Tecnologia Comportamental (INTEC). O concurso Os Melhores Municípios para Viver – M2V ­– de que o SOL é parceiro – comemora, no próximo ano, uma década de existência.

Todos os anos o INTEC distingue os melhores projetos no domínio do ambiente, na economia e a nível social. Este ano, «as classificações foram todas muito aproximadas e daí o INTEC ter decidido ressaltar tal facto na atribuição dos prémios», disse a organização ao SOL.

Nas próximas semanas, o SOL vai divulgar os projetos vencedores nas áreas da Economia e Social e respetivas menções honrosas. Esta semana, apresentamos o projeto que deu o primeiro lugar do pódio no domínio do ambiente à capital do Minho: Viana do Castelo.

 

Viana venceu o ambiente, menção honrosa foi para Torres Vedras

A câmara municipal de Viana do Castelo conquistou o júri do M2V 2017 com o projeto ‘Geoparque do Litoral de Viana do Castelo’. Há, no total, 119 geoparques classificados pela UNESCO. No caso de Viana, o geoparque abrange uma área total de 320 km2. Esta é «uma extensa área territorial com um sensível interesse geológico aliando tal interesse à conservação ambiental e promoção de desenvolvimento, baseado na geoconservação socioeconómica sustentável, educação e turismo», descreve o INTEC.

O projeto vencedor descreve em pormenor cada uma das áreas abrangidas, focando-se nos respetivos interesses geológicos, turísticos e ambientes desta grande reserva.

A menção honrosa do domínio ambiental foi entregue a Torres Vedras. A autarquia apresentou um código visual que permite às pessoas daltónicas conseguirem, quer em praias quer em ecopontos, distinguir facilmente quais as cores reais. Por exemplo, nas praias é colocado outro mastro – junto do tradicional com as bandeiras verdes, vermelhas ou amarelas que indicam o estado do mar – com um código que permite aos daltónicos avaliar as condições perfeitas para ir a banhos. O método foi aplicado, igualmente, aos ecopontos.

No total, apresentaram-se a concurso, no domínio ambiental, doze municípios.

A sessão de encerramento do concurso M2V 2017 está marcada para dia 27 de junho. A cerimónia decorrerá na faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, na Cidade Universitária.

Os comentários estão desactivados.