Sociedade

Todos os anos, o mundo tem mais de 83 milhões de pessoas

Menor taxa de fertilidade torna ritmo de crescimento da população


Um estudo da Organização das Nações Unidas (ONU) revela que a atual população mundial é de 7,6 mil milhões de habitantes e que aumente mil milhões em 13 anos para se fixar nos 8,3 mil milhões em 2030. A ONU antevê ainda que atinja os 9,8 mil milhões em 2050 e os 11,2 mil milhões em 2100.

O relatório apresentado ontem pelo Departamento dos Assuntos Económicos e Sociais das Nações Unidas revela que todos os anos há mais 83 milhões de pessoas no mundo. Ainda assim, o ritmo de crescimento da população mundial é mais lento. A taxa de fertilidade é mais baixa.

O documento prevê também que, entre 2017 e 2050, metade do crescimento da população mundial seja em nove países: Índia, Nigéria, República Democrática do Congo, Paquistão, Etiópia, Tanzânia, EUA, Uganda e Indonésia. Segundo as novas projeções da ONU, a população da Índia deve ultrapassar a da China em 2024. Atualmente, a Índia tem 1,3 mil milhões de pessoas, e a China uma população de 1,4 mil milhões.

“Temos uma população estimada em 7,6 mil milhões e a nossa projeção até 2100 é que atinja os 11,2 mil milhões. A grande parte do crescimento vai ser em África, por causa, sobretudo, dos níveis de fertilidade”, disse o chefe da unidade de estimativas populacionais e projeções do Departamento dos Assuntos Económicos e Sociais das Nações Unidas.

“Vários países africanos têm uma fertilidade relativamente alta e o processo dentro da projeção prevê que a população irá continuar a aumentar”, acrescentou François Pelletier em entrevista à ONU News.

Apesar de África ser o continente com com os níveis de fertilidade mais altos, o índice caiu de 5,1 nascimentos por mulher entre 2000 e 2005 para 4,7 entre 2010 e 2015. A redução da taxa de fertilidade é comum a quase todas as regiões do mundo, o que faz com que o ritmo de aumento seja mais lento do que o dos últimos anos.

Europa

O documento revela que, nos últimos anos, a Europa foi o único continente onde o número de filhos por mulher aumentou, passando de 1,4 no período 2000-2005 para 1,6 no período 2010-2015. Ainda assim, o Velho Continente será a única região do mundo onde o número de habitantes baixará entre 2017 e 2030, passando de 742 milhões para cerca de 739.

Já a população da África aumentará nesse período, passando de 1,256 mil milhões para cerca de 1,7 mil milhões, e a da Ásia vai crescer de 4,5 mil milhões para 4,94 mil milhões de pessoas.

O documento revela ainda que, a nível global, a esperança média de vida para os homens aumentou para os 69 anos em 2015. A esperança média de vida das mulheres é de 73 anos.

O documento destaca ainda que continuam a existir “grandes disparidades entre os países”.