Desporto

Froome. "Á bout de souffle!" - longa metragem!

Conservador eficaz, um camaleão, o mais perfeito dos que sabem descer montanhas: Christopher Froome venceu, ontem, a sua quarta Volta à França, e fica a uma vitória de Merckx, Hinault, Induraín, Anquetil. Aos 32 anos, o corredor inglês da Sky está no momento mais brilhante da sua carreira

“À Bout de Souffle”. Lembram-se do filme? Jean-Luc Godard, como realizador; François Truffaut responsável pelo guião. 1960. Jean Seberg, Jean-Paul Belmondo, Daniel Boulanger...

Não foi apenas um filme de culto. Foi um filme de histórias, de episódios.

Godard improvisando sobre os rascunhos de Truffaut.

Escrevia as cenas de manhã e filmava à tarde. Queria que os atores fossem espontâneos. Que não conhecessem profundamente as cenas de forma a poderem criar sobre elas.

A tradução para português foi para o fraquinho: O Acossado.

Seria melhor Sem Fôlego, ou No Último Fôlego.

Tal e qual como o Tour. E Froome.

Chamam-lhe O Camaleão.

Vencedor da 104.ª edição da Volta a França, que terminou ontem.

Sim, pode dizer-se que foi acossado. Na penúltima etapa, Marselha-Marselha, contra-relógio individual. Aguentou-se até ao último fôlego. A seis segundos do primeiro, o polaco Maciej Bolnar, da Bora-Hansgrohe; a um segundo do segundo, outro polaco, Michal Kwiatokswi, da Sky.

Partiria para Paris de amarelo.

É de amarelo que se chega a Paris e é de amarelo que se descem os Campos Elísios.

Chris Froome. Nasceu em Nairobi, no Quénia, imagine-se!

Estamos sempre à espera que um homem que nasce em Nairobi, no Quénia, abandone a bicicleta no primeiro segundo do Tour e resolva correr, a pé, naquele trotar inconstante dos grandes fundistas africanos, os três mil quinhentos e quarenta quilómetro que se desenrolaram entre Düsseldorf, Renânia do Norte Vestefália, e Paris, Ilha de França.

Froome: quarta vitória na Volta a França. Está aí, a um passo apenas dos gigantes, de Anquetil, de Merckx, de Hinault e de Induraín. Acima de Contador e Thévenet, de Coppi e de Bartali.

Clive, o pai, casou com Jane, a mãe. Ou seja: o costume.

Havia uma quinta.

Como em “Out of Africa”, de Karen Blixen: “I had a farm in Africa...”

Foi em África que Christopher começou a pedalar, a entrar em provas, a ganhá-las. Foi em África que conheceu David Kinjah, o seu primeiro treinador.

Depois a África do Sul, Bloemfontein, St. Adrew’s School, St. John’s College, e Joanesburgo, Independent School.

As 22 anos era profissional dos pedais. Konica Minolta, equipa sul-africana.

Em 2011 atingia os arredores do topo. 

Seria segundo na Volta à Espanha.

No ano seguinte, segundo na Volta à França.

“O que faz do Tour uma prova encantadora são os franceses”, disse, simpático, há dois dias em Marselha.

 

Pragmático. É tido pelos especialistas como um monstro do pragmatismo. Por toda a Volta a França que ontem atingiu o seu final caçou segundos com a febre de um caçador de borboletas, não se deixando enganar pelos seus voos em zigue-zague. É dessa forma que esconde as suas fraquezas: apenas razoável nos contra-relógios, trepador sem grandes altitudes.

O Queniano Branco diz de si mesmo: “Posso ser um pouco conservador, mas sou eficaz!”

Pois. Por isso, “à bout de souffle”, sem Belmondo.

Nem uma só vitória em etapas neste Tour. Pouco importa. Não é por isso que corre. Corre para ser o camisola amarela no sol da tarde domingueira de Paris. Corre para se defender dos ataques de Rigoberto Urán, a surpresa deste ano, seu delfim, o colombiano da Connondale-Drapac. Nunca uma vitória sua na Volta a França (2013, 2015 e 2016) foi tão renhida, tão escassa em tempo de vantagem para o segundo.

Michel Thèze, o treinador que o recebeu em 2006 no Centro Mundial de Ciclismo, na Suíça, comentou: “Nunca foi hábil. Mas tem um motor impressionante. E é extremamente aplicado. De cada vez que as coisas lhe correm mal, surge no dia seguinte mais resoluto. E se algo me encanta nele é a forma como aborda as descidas. Aí sim, está próximo da perfeição!”

Paris, 23 de Julho de 2017.

Christopher Clive Froome: 32 anos, da Sky. 

Talvez venha a ser um caso raro de longevidade. Anquetil, Merckx, Hinault, Induraín, tinham todos menos de 31 anos aquando das suas quintas vitórias no Tour.

Fica guardado para o africano de Nairobi ser, entre eles, único.

Paris chama-o e encanta-o.