Opiniao

Quer apoiar António Costa? Vote PCP

A proximam-se as autárquicas a galope. O maior risco para a estabilidade política não é uma derrota socialista, que  não se prevê. O PS venceu as últimas autárquicas, ainda com António José Seguro, com um resultado histórico nunca visto desde 1976 - 149 câmaras. Mas, para António Costa, a possibilidade de ficar abaixo do resultado histórico de António José Seguro será um bocado igual ao litro. A estabilidade política do Governo PS não reside nos resultados do PS. Com isso António Costa pode bem. 

A tranquilidade do Governo Costa depende muito mais do resultado autárquico do PCP.  Na noite de 1 de outubro, o primeiro-ministro assentará arraiais no Largo do Rato (ou no Altis ou lá onde for) com os seus camaradas, mas estará a torcer para que os camaradas do PCP não saiam humilhados da contenda autárquica. Se os comunistas conseguirem garantir, pelo menos, o mesmo número de câmaras e percentagem de votos que alcançaram em 2013 - 11% dos votos, a presidência de 34 câmaras municipais - Costa suspirará de alívio. Os comunistas ficarão contentes e os equilíbrios dentro da geringonça não sairão beliscados.

É que nas últimas autárquicas não foi só o PS a conseguir um resultado histórico. A CDU também recuperou terrenos perdidos na década anterior - reconquistando ao PS, por exemplo, concelhos simbólicos como Évora e Beja. Uma inversão deste estado das coisas tornará muito mais complexo para o PCP a manutenção da pax romano-gerigôncica. 

Para que António Costa prossiga o seu caminho tranquilamente, o PCP tem que manter a sua força. Parece um paradoxo, mas é simplesmente a vida, a  vida como ela é nos tempos que correm, que são diferentes de todos os que vivemos anteriormente. 

Esta semana, o BMI Research, uma empresa do grupo Fitch, festejou Costa e subiu o ‘rating’ político de Portugal. Motivo? «A popularidade crescente do Partido Socialista [está] a manter os aliados da extrema-esquerda sob controlo». Ora, este «controlo», que é uma realidade, só se mantém se ninguém perder a face. Costa sabe isso perfeitamente e vai torcer para que o PCP não perca a face, que é a sua força autárquica. O Bloco só está fora desta equação porque não tem mais-valia autárquica, não controla uma única câmara, não tem nada a perder.