Dívida Pública

Duplo leilão com juros inferiores

Portugal colocou 1250 milhões de euros em Obrigações do Tesouro (OT), num duplo leilão a cinco e a dez anos. As taxas de a taxas de juro foram inferiores às dos anteriores leilões comparáveis.

Segundo a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), a dez anos foram colocados 750 milhões de euros em OT. A taxa de foi de 2,327%, quando em 13 de setembro, data do último leilão comparável, tinha sido de 2,785% para 850 milhões de euros.

No leilão a cinco anos, foram colocados 500 milhões de euros em OT à taxa de juro de 0,916%. No último leilão comparável, a 14 de junho, os juros foram de 1,198% e o montante de 500 milhões de euros.

Este foi o primeiro leilão depois de, a 15 de setembro, a agência S&P de melhorar o rating da dívida portuguesa. A procura atingiu 1323 milhões de euros para os OT a cinco anos, 2,65 vezes superior ao montante colocado, e 1467 milhões de euros para as OT a dez anos, 1,96 vezes o montante colocado.

O IGCP tinha anunciado que ia realizar hoje dois leilões das linhas de OT com maturidade em 17 de outubro de 2022 (cinco anos) e em 14 de abril de 2027 (10 anos) e com um montante indicativo global entre 1000 e 1250 milhões de euros.

O banco BiG comenta que o “ambiente benigno vivido por Portugal nos planos macroeconómico e internacional foi muito relevante para a diminuição do custo de financiamento nesta emissão a longo prazo”.

Steven Santos, gestor do banco BiG, acrescenta que “a recente melhoria da notação de crédito pela agência S&P facilita a colocação de dívida no mercado internacional através de leilões”.

Para além disso, “a colocação de dívida que vence em 2022 e 2027 deve-se ao interesse do IGCP em criar mais liquidez nas Obrigações do Tesouro em anos em que Portugal tem menos capital a reembolsar e juros do que noutros anos”.

Segundo o programa de financiamento do quarto trimestre deste ano divulgado pelo IGCP, o objetivo é arrecadar até 2750 milhões de euros em dívida de curto prazo até ao final do ano, realizando, entre outubro e dezembro, de leilões de Bilhetes do Tesouro (BT) num montante que oscila entre os 2250 e os 2750 milhões de euros.

Já a longo prazo, a agência prevê realizar nesta último trimestre emissões de OT num valor entre 1000 e 1250 milhões de euros por cada leilão.