Politica

Parlamento discute hoje desvinculação do acordo ortográfico

Petição classifica acordo como um “fiasco”. PCP apresenta diploma a recomendar “nova negociação”

O Parlamento vai debater hoje uma petição que pretende a desvinculação de Portugal do Acordo Ortográfico de 1990.

A petição conta com mais de 20 mil assinaturas e tem entre os subscritores personalidades como Manuel Alegre, António Lobo Antunes, Eduardo Loureço, Bagão Félix e Miguel Sousa Tavares.

Os peticionários argumentam que o acordo ortográfico “é um fiasco político, linguístico, social, cultural, jurídico e económico”.

Os deputados vão ainda discutir um projeto de resolução do PCP que recomenda ao governo “a realização de um relatório de balanço da aplicação do novo Acordo Ortográfico da língua portuguesa e uma nova negociação das bases e termos de um eventual Acordo Ortográfico”.

Os comunistas defendem que este acordo “foi preparado em contextos alheios à população, distantes da comunidade académica e literária, sem acolher grande parte dos contributos que foram produzidos por setores vários da sociedade”.

O ministro Augusto Santos Silva rejeitou, há um ano, rever o Acordo Ortográfico com o argumento de que “devemos aguardar serenamente para que o processo de ratificação seja concluído para que o acordo possa entrar em vigor em todos os países que o assinaram e o aprovaram".

Países como Angola e Moçambique ainda não ratificaram o acordo ortográfico.O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já admitiu que Portugal deve acompanhar o processo e “ver se há razões para reponderar”.