Sociedade

José Sócrates vai explicar crise aos estudantes de Economia

Ex-primeiro-ministro fala amanhã na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra do “projeto europeu depois da crise económica”

José Sócrates vai amanhã à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra falar sobre a crise económica. A conferência é destinada aos estudantes e insere-se numa iniciativa que já teve como convidados Pedro Passos Coelho, Teodora Cardoso, Marques Mendes e Jorge Coelho.

O ex-primeiro-ministro será o único orador de uma conferência sobre “o projeto europeu depois da crise económica” - um evento promovido pelo Núcleo de Estudantes de Economia da Associação Académica. 

Simão de Carvalho, presidente deste núcleo de estudantes, justifica o convite ao ex-secretário-geral do PS com o facto de ter sido primeiro-ministro na altura em que rebentou a crise. “Acreditamos que a estratégia que ele desenvolveu para sair da crise deve ser transmitida aos estudantes.” Simão de Carvalho defende ainda, em declarações ao i, que apesar de estar envolvido num caso judicial, José Sócrates “é uma figura incontornável do panorama político português” e tem “um vasto conhecimento sobre política europeia e política económica”. 

O estudante diz que o objetivo deste evento é “complementar a formação dos estudantes numa área que é pouco explorada pela licenciatura”.

Polémica Esta é a quarta edição da iniciativa designada “Economia Hoje, Futuro Amanhã”. O evento arrancou em fevereiro com o ex-primeiro-ministro Passos Coelho a falar sobre o Orçamento do Estado para 2018. A segunda edição destinou-se a fazer um balanço do governo liderado por António Costa com o apoio dos partidos à esquerda do PS e os convidados foram o ex-ministro socialista Jorge Coelho e o ex-presidente do PSD Luís Marques Mendes. Realizou-se ainda nesta faculdade uma conferência sobre a evolução do sistema bancário tendo como convidada Teodora Cardoso, presidente do Conselho de Finanças Públicas. 

O presidente do Núcleo de Estudantes de Economia explica que o único objetivo é “promover mais conhecimento para os estudantes”, mas “há sempre alguma controvérsia” quando os convidados são pessoas que exerceram cargos políticos. “Já o convite ao ex-primeiro-ministro Passos Coelho originou alguma polémica”, afirma. 

Este ciclo de conferências, de acordo com a promoção feita pela organização, pretende “proporcionar aos estudantes participantes uma formação extracurricular para que estes sejam capazes de se desafiarem a si próprios e transcenderem as suas capacidades”. O convite a José Sócrates motivou algumas críticas nas redes sociais. António Capucho, ex-secretário-geral do PSD, ou Carlos Abreu Amorim, deputado, foram algumas das figuras que se insurgiram contra a iniciativa. João Paulo Batalha, presidente da associação portuguesa Transparência e Integridade, lamentou que o evento tenha “a chancela da universidade e da faculdade que o acolhe”.