Economia

Ryanair ameaça reduzir número de aviões em bases portuguesas se greve se mantiver

Companhia aérea diz que as greves são “desnecessárias”

A Ryanair ameaçou reduzir o número de aviões disponíveis nas bases portuguesas caso a greve de tripulantes de cabine se mantiver durante o período da Páscoa.

A medida foi anunciada num memorando enviado aos trabalhadores. “Se estas greves desnecessárias avançarem, vão perder salário, prejudicar o bom nome dos tripulantes de cabine da Ryanair junto dos nossos clientes e teremos que rever o número de aeronaves atualmente baseadas em Portugal”, refere o documento, citado pela Lusa.

Os tripulantes vão parar na quinta-feira, domingo de Páscoa e na quarta-feira, dia 4 de abril. A greve foi convocada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC).

Esta redução poderá ser feita quando houver oportunidade de desviar os aviões “para bases fora de Portugal e continuar a operar nessas rotas”. A nota da companhia aérea refere ainda que em vez de o sindicato ter aceitado o memorando e o convite para uma reunião no dia 9 de abril, enviou uma notificação com a greve.

O memorando reconheceu ainda o “trabalho árduo” dos tripulantes e pede para que estes tenham “em consideração os clientes e as suas famílias” e para que não perturbem “as suas férias da Páscoa” com uma greve “desnecessária e injustificada”.