Economia

Eurovisão. Evento capta milhões para Portugal

Alojamentos esgotados, restaurantes cheios e comércio agitado são consequências da Eurovisão. A projeção do país também sai reforçada.

O Festival da Eurovisão será um sucesso em termos de impacto económico para Portugal. A par da hotelaria e da restauração há uma outra série de atividades que vão beneficiar com a realização deste evento. De acordo com José Esteves, diretor-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP),  só as receitas de hotéis e restaurantes deverão atingir dezenas de milhões de euros, mas a este montante é necessário «juntar a cadeia de valor que o turismo arrasta consigo e que está ligada a empresas de construção civil, de cenários, a empresas de rent-a-car, de animação noturna, entre outras». 

Somando todas estas atividades, o responsável não tem dúvidas em apontar para um impacto económico na ordem dos cem milhões de euros.  «Nem a Expo98, nem o Euro2004, nem a própria Web Summit tiveram este impacto e esta capacidade de promoção do país», refere. 

Também a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) garantiu que, para esta semana, mais de 75% dos hotéis apresentavam uma taxa de ocupação entre os 74% e os 80%, mas há quem esteja a registar taxas na ordem dos 90%, com as unidades de quatro estrelas a registarem a maior procura. E à semelhança de outros eventos, os preços médios subiram este mês, dada a elevada procura. O preço médio por quarto vendido em 2014 foi de 96 euros, em 2015 de 94 euros, em 2016 de 104 euros e em 2017 subiu para os 117 euros.

Também a plataforma Airbnb referiu que as pesquisas por alojamentos em Lisboa para a semana do Festival da Eurovisão aumentaram 42% face a igual período de 2017. Este aumento da procura foi também acompanhado por um aumento dos preços com os valores médios a rondarem os 63 euros por noite para um quarto privativo e de 150 euros por noite para um apartamento com dois quartos em uso exclusivo. 

Já em termos de custos, a organização apontam para os valores mais baratos desde 2008. De acordo com o produtor executivo desta edição, João Nogueira, está previsto um orçamento entre «19,7 e 20,1 milhões de euros», cujo valor final depende dos próximos dias, nomeadamente da desmontagem do concurso. «Temos de retirar em quatro dias o que demorou semanas a montar», referiu.