Sociedade

Governo madeirense reage ao cancelamento de voos da TAP

Pedro Calado afirmou que situação é "lamentável"

Vários voos foram cancelados pela TAP nos últimos dias e a empresa já emitiu declarações, justificando-se com uma “série de contingências imponderáveis”. Além de vários voos internacionais, os voos do continente para a Madeira foram dos mais afetados, o que levou o vice-presidente madeirense Pedro Calado a reagir perante a situação.

“Fazer cancelamentos em cima da hora, sem avisar os passageiros, deixando-os quase ao abandono nos aeroportos como aconteceu este fim-de-semana no Porto e em Lisboa, é uma situação lamentável”, afirmou Pedro Calado esta terça-feira, apesar de sublinhar que compreende as dificuldades operacionais da transportadora.

O vice-presidente da Madeira fez ainda referência aos entraves que têm sido impostos para a entrada de uma terceira companhia aérea nos voos da Madeira para o Continente e realçou que o governo da região está atento a este tipo de questões, relembrado que alertaram o Governo da República relativamente “à privatização da TAP, no sentido de acautelar o serviço público mínimo que tem de ser garantido às ilhas”.

No final do dia, Pedro Calado formalizou o protesto e enviou uma carta ao primeiro-ministro António Costa e a ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, relembrando que mais de 70 voos, em três meses, foram cancelados para o Funchal e 9500 passageiros foram afetados.