Opiniao

Tourada na Assembleia da República

O PS e o PCP seriam os partidos mais penalizados se as touradas fossem ilegalizadas. O eleitorado não lhes perdoaria.

A proposta do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) de acabar com as touradas foi chumbada, mas a votação teve alguns dados bem curiosos: em primeiro lugar, é sempre engraçado ver uma dissidência no Bloco de Esquerda, e o deputado eleito por Santarém, Carlos Matias, apesar de timidamente, não alinhou com os seus colegas de partido e absteve-se! Penso que é uma verdadeira lança em África atendendo à disciplina de voto que os bloquistas costumam praticar. Depois, no PS, oito deputados votaram contra, com a inevitável e inconfundível Isabel Moreira a liderar as hostes anti-touradas e 12 abstiveram-se. No PSD, Cristóvão Norte aliou-se ao PAN e disse não à festa brava, tendo um colega de partido ficado quieto.

Quanto ao PCP demonstrou uma coerência normal e votaram todos a favor da continuidade das corridas de toiros. E não é de estranhar, pois as câmaras onde o espetáculo tauromáquico é mais elevado à categoria de arte – e que faz parte da cultura local – o PC e o PS dividem o comando das autarquias. Não seria pois muito sensato estes dois partidos entrarem numa onda anti-touradas, correndo o risco de serem penalizados em futuras eleições autárquicas. Vila Franca de Xira, Benavente, Montijo, Coruche, Salvaterra de Magos, Santarém e Alcochete não perdoariam essa traição no futuro.

Outro dado curioso foi dado pelos faltosos: 22 não apareceram na votação. E também aqui a história foi curiosa: um deputado do BE, dez do PS, seis do PSD, dois do PCP e três do CDS escolheram outra atividade para ocupar o tempo enquanto decorria a votação.

Mas deixemos os deputados que votaram como bem entenderam, presumo, e avancemos para a corrida. Há um facto que é indesmentível: se um dia as corridas acabarem os toiros bravos têm a morte anunciada. Ninguém vai criar um bicho com todas as mordomias, onde não lhe falta espaço para ir treinando a sua bravura, para depois o matar para comer. Dizem os entendidos que isso ficará para uma imensa minoria rica que tratará de lhes dar uma vida de luxo para depois serem um pitéu à mesa. Também toda uma indústria e uma forma de vida desaparecerão. Não é que tenha alguma simpatia pela cultura marialva, que não tenho, mas as populações que vivem o fenómeno ficariam sem uma parte da sua vida: os bandarilheiros, os campinos, os toureiros, etc. teriam de ir para centros comerciais para encontrarem alguma agitação para as suas vidas.

Nunca fui a uma tourada mas adoro ver as pegas dos forcados, onde homens franzinos não têm medo de enfrentar touros com mais de 500 quilos. «O touro é o perigo, a morte que nos rodeia por todos os lados, que nos espreita ou que nos vem ao encontro. O toureiro é o que enfrenta o perigo, o que engana a morte lidando com ela, o que cria regras, uma arte para não morrer», dizia o matador Ignacio Sánchez Mejías, imortalizado por Lorca. Resumindo: faz-me muito mais confusão ver lutas na televisão, onde homens e mulheres batem noutros com tudo o que está ao seu alcance, havendo campeões do mundo de várias variantes, do que a luta entre homens e um touro, em que muitas vezes os homens acabam por perder a vida. Mas contra essas lutas ninguém luta. Hoje, é verdade, os deputados preocupam-se muito mais com os animais do que com as pessoas. Ou não é verdade que é muito mais traumatizante para uma criança assistir a uma luta de MMA do que a uma tourada?