Sociedade

Português que ajudou refugiados acusado de imigração ilegal

Estudante do Técnico recebeu uma notificação do MP italiano a informá-lo da investigação

Miguel Duarte é um português de 25 anos que ajudou a salvar várias pessoas no Mediterrâneo. Agora está a ser investigado pelo Ministério Público (MP) italiano por ajudar à imigração ilegal.

Segundo noticiou ontem o “Público”, o homem - que se candidatou para ser voluntário numa organização não-governamental (ONG) alemã, a Jugend Rettet, em 2016 - recebeu no mês passado uma notificação do MP italiano a informá-lo da investigação.

Esta não é a primeira vez que as autoridades italianas usam mecanismos legais para tentar travar as ONG de salvar refugiados no Mediterrâneo. No ano passado, as forças policiais daquele país apreenderam um navio que pertencia à organização alemã. 

Na altura, o procurador italiano disse à Reuters que tinha provas “de encontros entre traficantes, que escoltaram imigrantes ilegais” até ao navio. Ao “Público” o jovem negou a acusação: “Não temos relação alguma com traficantes líbios, não comunicámos nem tentámos comunicar com eles nem eles connosco”. O português considera que esta acusação tem uma base política, referindo que basta olhar para a campanha eleitoral feita em Itália. A campanha “foi anti-imigração e anti-ONG de resgate”: “Disseram-se as maiores barbaridades para incutir medo nas pessoas. Foi a forma que Itália arranjou de nos travar, estamos sem operar há um ano. Já muita gente terá morrido, o que seria evitável”, realçou.

Para além de Miguel Duarte, as autoridades italianas acusaram também dez tripulantes do navio apreendido e 12 pessoas de outras organizações.

Segundo o português todos os resgates foram feitos juntamente com o Centro de Coordenação Marítima de Roma - entidade que controla aquela zona - e nada aconteceu sem que o centro não soubesse o que se estava a passar.

Perante este cenário, diz que parece haver uma “conjugação” para acabar com as operações de salvamento das ONG no Mediterrâneo: “A Sea-Watch, pioneira no resgate, está impedida de sair por irregularidades no registo do navio, o Lifeline ficou preso em Malta, o Aquarius está impedido de aportar em Itália e Malta, e dois pequenos aviões de busca estão impedidos de levantar voo”, exemplificou.

Miguel Duarte candidatou-se em 2016 para participar em operações de salvamento de refugiados. No total já fez parte de quatro missões. 

Atualmente está a tirar um doutoramento em Matemática no Instituto Superior Técnico, em Lisboa, mas pretende continuar a fazer parte destas missões. “Sou uma pessoa privilegiada a viver num país em paz há muito tempo. Quero participar e não ficar a observar”, realçou.