Politica

PAN compara invasão de tourada a luta de Gandhi

No início de agosto, ativistas invadiram a arena de Albufeira. O deputado único do PAN defende ao SOL que nem sempre é possível ‘lutar por um mundo digno’ cumprindo a lei. E recorda a história de Mahatma Gandhi.

As manifestações contra as touradas não são novidade em Portugal, mas há uma prática que chegou recentemente ao nosso país: a invasão das arenas. 

Este tipo de ações antitauromáquicas já acontecem há vários anos em Espanha, França e na América Latina, mas até há pouco tempo não eram uma prática comum em território português.

No dia 9 de agosto, três ativistas invadiram uma corrida de touros na arena de Albufeira. Do grupo antitouradas, fazia parte Peter Janssen, um holandês com um longo historial de detenções (ver textos ao lado). E Hélder Silva, um militante do PAN que foi candidato pelo partido à Câmara da Moita, nas últimas eleições autárquicas. 

A invasão instalou o caos na praça de touros de Albufeira e seguiram-se episódios de violência. 

O deputado único do PAN, André Silva, afirma ao SOL que o partido defende o Estado de Direito e que «é por essa via que temos de lutar pela abolição desta prática». Contudo, diz compreender «o desgaste que está na base da ação destes ativistas». «São anos e anos e anos de protestos», argumenta.

André Silva sublinha que a invasão dos ativistas foi «uma ação pacífica» e condena a reação dos aficionados. «Não me admira esta resposta por parte dos defensores da tauromaquia, dado que a violência é algo que é banal na vida destas pessoas desde tenra idade», acusa. 

O deputado refere que para «lutar por um mundo mais digno» nem sempre é possível «fazê-lo no cumprimento da lei» e compara as invasões das corridas de touros a «exemplos de coragem e tenacidade», como a luta de Gandhi.

«Recordo que há quase um século Mahatma Gandhi iniciou a Marcha do Sal, contrariando a obrigatoriedade legal dos indianos de comprarem produtos industrializados em Inglaterra, numa altura em que estavam proibidos de extrair o sal no seu próprio país. Em resposta à provocação, os ingleses prenderam mais de 50 mil indianos - entre eles o próprio Gandhi - que usaram no fundo a desobediência civil com o objetivo de evitar a violência», explica.

Por isso, André Silva defende que «aqui o foco principal não é se é legal ou não, mas, sim, se é ou não ético». Apesar disso, o deputado esclarece que «o PAN não organiza, não apoia, nem estimula nenhum evento deste género».

Sobre o envolvimento do militante do PAN na invasão à arena de Albufeira, o deputado defende que Hélder Silva participou na ação «como cidadão» e não como militante do partido. «Nós não tínhamos conhecimento. Aliás, se eu tivesse conhecimento teria aconselhado a não o fazer», salienta. 

Do lado dos aficionados, Hélder Milheiro, presidente executivo da ProToiro, defende ao SOL que a invasão se trata de uma forma de protesto ilegal e que constitui um crime. «Se alguém quer manifestar a sua posição sobre o que quer que seja em sociedade deve fazê-lo dentro da legalidade e do respeito pelos direitos e liberdades dos outros, o que não aconteceu neste caso», argumenta.

Por outro lado, considera «inadmissível» que o PAN, sendo um partido político, «tenha ligações a ações que são ilegais e criminosas». Mas, para Hélder Milheiro, a posição do PAN não é surpreendente. «O PAN é um partido que tem dificuldade em aceitar as regras em democracia. Há uma promoção do ódio feita por este partido. Aquilo que não é de acordo com o PAN não pode existir e tem de ser proibido», refere.

Sobre a reação violenta dos aficionados, o presidente da ProToiro diz que «não é admissível». «Ao contrário do PAN, condenamos qualquer comportamento deste género. Não se pode é fazer uma generalização abusiva», explica.

Hélder Milheiro alerta que as invasões das corridas de touros são «um problema de segurança pública». E, por isso, a ProToiro pediu uma reunião com Ministério da Administração Interna. «Não pode haver aqui uma atitude passiva ou de esperar para ver o que acontece da parte dos responsáveis políticos. Da mesma maneira que no desporto foram tomadas medidas de prevenção para a segurança dos cidadãos, neste caso temos de seguir um caminho similar», defende.