Politica

João Soares ‘deseja’ PCP e BE no governo

Deputado socialista quer acordo à esquerda independentemente dos resultados. No PS, aplaude-se as palavras de Marcelo ao dispensar acordos escritos para viabilizar o Governo.

A um ano das eleições legislativas o futuro dos acordos à esquerda está em aberto, mas tanto o PCP como BE deram sinais de estarem disponíveis - e em condições - para assumir funções governativas. Que condições? Tudo depende do projeto e dos votos. No PS já há quem defenda um passo em frente com a integração da esquerda no Governo. «Depois de uma experiência tão rica e tão boa para o país  é desejável que haja uma representação indicada - mesmo que não sejam militantes destacados - pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda. Vai depender muito dos resultados que tiverem», diz ao SOL João Soares, um dos primeiros socialistas a defender entendimentos à esquerda, ainda na liderança do partido de Vítor Constâncio. Na altura, o debate passava por um acordo na Câmara de Lisboa para derrotar a direita na autarquia.

«Fui dos primeiros, senão mesmo o primeiro a defender um entendimento à esquerda em Portugal», recordou ao SOL João Soares, na leitura das várias posições dentro do PS, ao longo da história, sobre as sinergias com outros partidos. No caso da Câmara de Lisboa, foi Jorge Sampaio a adotar «a ideia, sendo ele o protagonista, levando-me a mim como número dois».

Sobre os resultados das próximas legislativas, Soares é cauteloso a quantificar percentagens para o PS, mas claro sobre a solução de alianças pós-eleitorais. «É desejável que se mantenha um entendimento pós-eleitoral com o PCP  e o Bloco de Esquerda, seja qual for o resultado do PCP e do Bloco de Esquerda. Não faço conjeturas sobre qual vai ser o resultado, mas evidentemente que desejo o melhor resultado possível para o PS. Agora não me apanha a dizer que quero maioria absoluta ou que não quero»,  declarou ao SOL o parlamentar socialista.

Numa análise sobre a estratégia de António Costa, João Soares realça um outro ponto que lhe é caro.  A liderança socialista acabou com o mito dos partidos de arco da governação. «Um dos méritos desta governação socialista é ter acabado com esse mito. O mito do arco governação servia para tornar irrelevante uma percentagem muito significativa dos votos dos portugueses». Mais uma vez, João Soares insistiu que foi uma das primeiras vozes a defender que era preciso colocar um ponto final nessa teoria: «É um disparate total, a  ideia de arco da governação que a direita construiu e uma parte do PS adotou».

 

Os sinais da esquerda

Entre os parceiros da esquerda, a coordenadora do BE, Catarina Martins, foi a primeira clarificar a vontade de assumir responsabilidades governativas. «Aqui estamos, porque o país sabe que conta connosco. Aqui estamos, para todas as responsabilidades», declarou a dirigente na rentrée do BE, a fechar o último parágrafo do seu discurso.

A ideia foi replicada pelo líder parlamentar do partido, Pedro Filipe Soares, ao defender que o Bloco lutará para ser «uma força determinante» num futuro Executivo, numa entrevista à Lusa.

Na RTP, o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, voltou a afirmar que os comunistas estão «em condições de assumir qualquer responsabilidade, mesmo governativa, mas é preciso saber: governar para quê e para quem? Para continuar a aceitar a submissão da política europeia e mais políticas de austeridade? Isso, o PCP não faz. Estamos disponíveis sim, mas para fazer uma política para resolver os problemas estruturais do País». A formulação do secretário-geral comunista não é nova, mas é sintomática na abertura da última sessão legislativa antes das eleições, sobretudo porque o PCP tem-se distanciado  dos socialistas à medida que se queimam etapas no calendário político e se define a estratégia pré-eleitoral.

Qualquer solução governativa implica, por um lado, o apoio no Parlamento, e por outro, o aval do Presidente da República, ouvidos os partidos.

 

Marcelo dá a mão a Costa

Ao contrário de Cavaco Silva, Marcelo Rebelo de Sousa dispensa acordos escritos para encontrar soluções governativas estáveis. O chefe de Estado esclareceu esta semana na que não pedirá acordos escritos à esquerda ou à direita, até porque já viabilizou «a permanência do governo sem nunca haver acordo escrito», disse Marcelo ao podcast Perguntar não ofende, de Daniel Oliveira.

No PS, as palavras do chefe de Estado foram encaradas como um sinal de que a ‘geringonça’ funcionou, mas também que Marcelo Rebelo de Sousa é «mais flexível» que o seu antecessor. Cavaco Silva quis «obstaculizar» os acordos, confidenciou ao SOL   uma fonte socialista.

No partido de António Costa, a leitura das várias declarações da semana revelam que tantos os parceiros de esquerda como Belém sancionaram  positivamente a ‘geringonça’.