Sociedade

Especial Coruche. No reino da cortiça

Na capital mundial da cortiça, o tempo é de festa e não faltam propostas para um bom fim de semana. Gastronomia, música e toiros fazem parte da ementa, onde não faltam negócios.


TERRA FÉRTIL, entre a lezíria e a charneca ribatejana e as planícies do Alentejo, fica a capital mundial da cortiça. De Coruche saem para o mundo, todos os dias, cinco milhões de rolhas. O setor agro-florestal, alavancado pela agro-indústria são os principais motores da economia. Na zona industrial, as corticeiras estão em destaque, mas há também uma fábrica de telemóveis, unidades na área da cosmética e outras pequenas empresas familiares, nas mais diversas áreas de negócio. O novo Parque de Negócios do Sorraia está em construção, são mais de 64 hectares que irão ficar à disposição dos investidores que queiram apostar num território que fica a 80 quilómetros de Lisboa, a 75 quilómetros do Porto de Setúbal, a 50 quilómetros do Aeroporto de Lisboa (Montijo) e a pouco mais de 100 quilómetros de Badajoz.

O presidente da Câmara Municipal de Coruche acredita que o novo Parque de Negócios vai atrair mais empresas para o concelho e com isso fixar mais população: «Criar empregabilidade em Coruche é a minha meta. Sem emprego, não conseguimos fixar população, a qualidade de vida que já temos nas áreas da Educação, Saúde, Desporto, Segurança, Cultura, de nada serve se não tivermos emprego neste território».

Francisco Oliveira realça o facto de existir bastante interesse de empresários no novo Parque de Negócios: «Temos tido contactos preliminares com potenciais investidores, portugueses e estrangeiros, para os mais diferenciados setores de atividade, vai desde a agro-indústria às novas tecnologias. São todos bem-vindos, só não estamos recetivos para plataformas logísticas, que geralmente ocupam muitos metros quadrados e criam poucos postos de trabalho».

A Feira Internacional da Cortiça – FICOR está ainda de portas abertas até domingo à noite. Gastronomia, provas de vinhos, artesanato, música e tauromaquia garantem a festa.

Hoje, durante o dia, há muitas atividades para a criançada, com insufláveis, pinturas faciais e jogos didáticos, de forma a assinalar o Dia Internacional da Criança. Há também duas sessões de show cooking, onde chefes convidados trabalham os produtos do montado. No espaço Wine & Cork há provas de vinhos e conversas com especialista da área. No palco, a noite é de fado, com Raquel Tavares.

O domingo de manhã é dedicado ao desporto, a Corrida das Pontes e da Família.

À tarde, a praça de Toiros de Coruche, recebe uma corrida de toiros, com João Ribeiro Telles a lidar a solo seis toiros, numa celebração dos 10 anos de alternativa do cavaleiro coruchense. As pegas ficam a cargo dos Forcados Amadores de Coruche e Forcados Amadores de Montemor-o-Novo.

 

Coruche à mesa. Uma receita tradicional

Sendo um dos produtos da região, o tomate mexe com a economia local. Aqui fica uma receita tradicional de um coruchense, Pedro Orvalho.

O tomate é um dos produtos hortícolas de maior importância no Ribatejo. O tomate tem a vantagem de poder ser consumido em fresco ou transformado: concentrado, em polpa ou pelado. Por cá produz-se o tomate especialmente para transformação.

Grandes empresas industriais, situadas em Almeirim, Benavente e Azambuja, são os parceiros dos agricultores ribatejanos.

SOPA DE TOMATE COM FIOS DE OVOS

Era uma sopa de Verão que se fazia em casa de meus pais, em Lisboa e à qual não dava grande importância, talvez pela sua simplicidade, mas como tudo que marca a nossa infância, dei por mim a introduzi-la habitualmente em minha casa e todos a apreciam.

INGREDIENTES:

Tomate redondo (tomate maçã)

Cebola, Alho

Coentros, Azeite

Água, Sal, Ovos

Vamos lá preparar a sopa: Numa panela juntam-se o tomate e a cebola picados bastante miúdo, visto que esta sopa não é triturada, um dente de alho esmagado, água, azeite e sal a que  junto um ramo de coentros, já influenciada pelos sabores ribatejanos e alentejanos.

Ferve bastante tempo até cozer e desfazer bem todos os ingredientes.

Numa tigela batem-se bem alguns ovos inteiros, conforme o tamanho da panela e deitam-se em fio para dentro da panela com a sopa, mexendo rápido para que fiquem fios bem fininhos, tudo isto já com o lume apagado.

Pode servir-se esta sopa com croutons ou coentros frescos picados.

 

Outras datas para visitar Coruche:

Último fim de semana de abril

Sabores do Toiro Bravo, tasquinhas na praça de Toiros de Coruche, onde a grande atração são os pratos com carne de toiro bravo. Há sempre animação musical e taurina.

Último fim de semana de junho

24horas de BTT e Festival da Juventude, prova de resistência, costuma juntar perto de 1000 atletas. O Festival da Juventude acontece em paralelo, garantindo assim muita animação com concertos ao vivo e djs. O epicentro das atividades acontece no Parque do Sorraia, na zona ribeirinha.

De 14 a 18 de agosto

Festas em Honra de Nossa Senhora do Castelo – Festas Populares de Coruche. A Festa do Castelo, assim é chamada pelos coruchenses, é uma manifestação religiosa e profana, que junta durante cinco dias, a fé e a devoção à padroeira da vale do Sorraia – a Nossa Senhora do Castelo, com uma grandiosa procissão, mas a festa do castelo é também a festa do concelho, onde há fogo de artifício, toiros na rua, tasquinhas, cortejo etnográfico e muita música!

Primeiro fim de semana de outubro

Jornadas de Gastronomia e Feira do Livro. Os certames complementam-se, juntam no mesmo local – Pavilhão Multiusos, boa comida, bom vinho, livros em promoção, conversas com escritores e animação musical.

De 25 de outubro a 3 novembro

Festival Internacional de Balonismo. É uma viagem de sonho para muitos, uma aventura a realizar para outros. Pois bem, para concretizar essa viagem, vá até Coruche no último fim de semana de outubro e levante voo num balão de ar-quente! Ao ribatejo chegam balonistas vindos de todo o mundo, com balões de várias formas e de todas as cores. Se não conseguir levantar os pés do chão, pelo menos a cabeça vai levantar para apreciar o colorido dos céus.

Coruche Inspira

Coruche tem uma variada oferta de atividades de lazer: passeios pedestres, a cavalo, de bicicleta ou em balão de ar-quente, observação de aves, canoagem, pesca desportiva e caça.

A gastronomia é tipicamente ribatejana, mas já com influências do vizinho Alentejo, onde as migas e as açordas ganham notoriedade. Na capital mundial da cortiça há boa pinga, não são muitos os produtores locais, mas o que existem produzem vinhos de enorme qualidade.

 

Fique a saber como Coruche Inspira, em visitcoruche.com