Sociedade

Professores indignados com palavras cruzadas do Expresso

Uma expressão utilizada nas palavras cruzadas do Expresso estão a indignar os professores.

A última edição do jornal Expresso, que contém umas palavras cruzadas com um tópico em que se lê ‘Ensinam quando não estão em greve’, está a gerar polémica e revolta junto dos professores.

A Fenprof considera que este exercício revela uma “enorme falta de respeito para com os docentes e a escola portuguesa”.

“Os professores portugueses são dos docentes, em todo o mundo, mais qualificados e os relatórios mais recentes que têm sido publicados tornam claro que, apesar das condições de trabalho em que exercem a sua profissão e do desrespeito que sucessivos governos têm tido para com estes profissionais, Portugal tem sido dos países que mais evoluíram em aspetos como o do combate ao insucesso e ao abandono escolares”, lê-se num comunicado da Fenprof enviado às redações.

O sindicato dos professores considera que “com aquela expressão das palavras cruzadas do Expresso, pretende-se, inegavelmente, transmitir a ideia de que os professores estão sempre em greve, ficando as sobras para ensinar”.

O comunicado termina com a Fenprof a exigir um pedido de desculpas por parte do jornal. “Não pode deixar de exigir, veementemente, um pedido de desculpas aos professores portugueses”.