Economia

Portugueses estão a poupar mais para viajar, revela estudo

Há casos em que é possível encontrar verdadeiros preços de saldo recorrendo a motores de pesquisa.

Os portugueses estão a poupar cada vez mais para viajar. Aliás, este é o segundo maior motivo de poupança para os portugueses (42%), um valor superior à média europeia que se situou nos 40%, de acordo com o European Payment Consumer Report, estudo da Intrum. O principal motivo, tanto para os portugueses (76%) como para os restantes inquiridos europeus (67%) é a poupança para despesas inesperadas, de acordo com o mesmo estudo.

“Os portugueses, cada vez mais, poupam dinheiro para situações inesperadas do dia-a-dia, mas também se preocupam com o seu bem-estar físico e psicológico e por isso mesmo, viajar é um dos maiores motivos de poupança tanto para os portugueses como para os restantes países inquiridos neste estudo da Intrum”, afirma Luís Salvaterra, diretor-geral da Intrum Portugal. 

De acordo com o mesmo estudo, os portugueses poupam em média 193 euros por mês, valor substancialmente superior ao do ano passado que foi de 80 euros. A poupança média mensal dos europeus inquiridos é de 255 euros.

Viajar por menos

O que é certo é que, para quem está a pensar em viajar de avião, os motores de pesquisa tornaram a procura mais rápida e, em alguns casos, mais barata. Um desses exemplos é a Flightfox. 

A plataforma de marcação de viagens “assenta num binómio de inovação tecnológica aliado ao indispensável conhecimento técnico dos seus peritos, que dominam e manipulam algumas técnicas desencorajadas pelas companhias aéreas e outras ignoradas pelos motores de busca disponíveis na internet. Com uma simples pesquisa, estes peritos são capazes de encontrar preços absolutamente imbatíveis”, diz em comunicado.

E dá exemplos: “através da combinação de diversas técnicas conseguimos encontrar, por exemplo, São Francisco para Xangai por 327 euros (ida e volta), Lisboa-São Paulo em classe executiva por mil euros (o mesmo que muitas tarifas em classe económica), Copenhaga para Nova Iorque por 181 euros (ida e volta) ou Monastir (Tunísia)-Paris por 21 euros”, revela ao i, um dos especialistas desta empresa, acrescentando ainda que “se não conseguirmos bater o preço que encontrou online por mais do que o valor da nossa comissão, não paga nada”. 

Aliás, recentemente a empresa apostou na coordenação simultânea de dezenas de voos de um importante cliente corporativo que organiza programas internacionais de intercâmbios para estudantes, em diversas geografias. “Tivemos de lidar com dezenas de cancelamentos por causa de mau tempo, atrasos, adolescentes em trânsito retidos em aeroportos e muitos pais preocupados. Recebemos centenas de chamadas, mas conseguimos que todos os jovens chegassem aos seus destinos e sobretudo sossegar os pais… mas é isto que nos distingue, o contacto verdadeiramente humano e a capacidade de arranjar soluções no momento para situações imprevistas”, acrescenta.