Internacional

Nobel pela paz no corno de África

O primeiro-ministro etíope recebeu o galardão pelo esforço para democratizar o seu país e acabar com o conflito com a Eritreia.

No ano passado, poucos meses depois de chegar ao poder, o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed Ali, sentou-se à mesa de negociações com o Presidente da Eritreia, Isaiah Afwerki, para pôr fim a quase duas décadas de impasse militar na fronteira entre os dois países. As imagens dos dois líderes a rirem e a abraçarem-se surpreendeu o mundo, bem como o pedido feito a Abiy para pôr fim às sanções internacionais à Eritreia – impostas sobretudo por pressão da diplomacia etíope. Agora, pelos seus esforços para pôr fim ao conflito – que também destabilizou outros no Corno de África – ,o primeiro-ministro etíope foi premiado com o prémio Nobel da Paz. Além da contribuição de Abiy na arena internacional, o presidente do comité responsável pelo galardão, Berit Reiss-Andersen, salientou os seus esforços para democratizar o seu país.

«Ele passou os seus primeiros 100 dias como primeiro-ministro a levantar o Estado de emergência, a conceder amnistias a milhares de prisioneiros políticos, a descontinuar a censura dos média e a legalizar grupos da oposição banidos», notou Reiss-Andersen. Ainda assim, o trabalho de Abiy «está longe de estar acabado», lembrou o secretário-geral da Amnistia Internacional, Kumi Naidoo, que apelou ao Governo etíope para que revogue as leis antiterrorismo «que continuam a ser usadas como ferramenta de repressão». Nadioo também pediu medidas contra o aumento dos abusos dos direitos humanos decorrentes das crescentes tensões étnicas no país.

O primeiro-ministro é considerado particularmente bem equipado para lidar com este último desafio, dado a sua mãe ser uma cristã da etnia smhara, e o seu pai um muçulmano oromo. Aliás, Abiy é o primeiro líder etíope da etnia oromo, a mais numerosa do país, e que se queixa há décadas de ser marginalizada económica e politicamente pelos tigrínios, que constituem apenas cerca de 6% da população – mas dominam os negócios e a política do país.

 

‘Dois carecas a lutarem por um pente’

A etnia de Abyi também o terá ajudado a pôr fim ao conflito entre a Etiópia e a Eritreia, descrito por vários analistas como um confronto entre os tigrínios etíopes e os tigrés eritreus. Em 1998, a disputa fronteiriça culminou na batalha por Badme, uma pequena vila sem petróleo, ouro, diamantes ou grande valor estratégico – mas que ambos os países reivindicavam. Foi isso que espoletou uma guerra descrita na altura como «dois carecas a lutarem por um pente» – e que causou dezenas de milhares de mortos em dois anos.

Mesmo após o cessar-fogo, os efeitos do conflito continuaram a fazer-se sentir. Na fronteira, famílias e comunidades foram separadas por linhas militares: enquanto a Eritreia ficou sem acesso ao mercado etíope – um dos maiores da região – , a Etiópia, que não tem costa marítima, ficou sem acesso aos portos eritreus.

Isto para lá dos custos de manter exércitos enormes, durante anos a fio, sempre à espreita. Após o início da guerra, os efetivos do exército etíope passaram de cerca de 60 mil para 350 mil, com gastos militares mais de oito vezes superiores – chegando a uns astronómicos 706 milhões de euros por ano, segundo a New Humanitarian. Já a Eritreia, um pequeno país com sérias dificuldades económicas, aumentou os seus efetivos para cerca de 300 mil soldados, quase 10% da população, segundo a Global Security. Algo conseguido graças ao serviço militar obrigatório, que levou muitos eritreus a fugir do país, arriscando a travessia perigosa do Sahara e do Mediterrâneo até à Europa.

Não só o conflito tem servido de justificação para o autoritarismo de ambos os Governos, como acabou por degenerar numa série de guerras por procuração, como foi o caso da guerra civil da Somália. Quando a Etiópia enviou tropas para combater os grupos islamitas no país vizinho, em 2006, não hesitou em acusar a Eritreia de os apoiar. A retórica de guerra ao terrorismo ajudou Addis Abba a conseguir o apoio de Washington – isolando a Eritreia e conseguindo colocá-la sob sanções.

Subitamente, graças aos esforços de Abiy, ambos os países entraram numa fase completamente nova. «Concordámos em derrubar o muro entre nós», disse o primeiro-ministro etíope em 2018, durante o restabelecimento das relações diplomáticas com a Eritreia. E a fronteira que esteve na base da guerra sangrenta entre os dois países? «Desapareceu hoje, com uma demonstração de verdadeiro amor. O amor é maior que armas modernas, como tanques e mísseis», declarou.