Sociedade

'Sexta às 9' reduzido a 20 minutos

O programa 'Sexta às 9', coordenado pela jornalista Sandra Felgueiras, continua envolto em polémica. Agora, a direção de informação da RTP decidiu dar apenas 20 minutos ao programa de investigação.

A propósito das comemorações dos 60 anos do Telejornal da Rádio e da Televisão Portuguesa (RTP), a direção de informação do canal público decidiu encolher o programa Sexta às 9 para 20 vinte minutos.

Quem assistiu ao programa de ontem deve ter estranhado que apenas tenha havido espaço para um tema: a continuação da história da semana passada sobre a polémica autorização de exploração de lítio nas aldeias de Rebordelo, Morgade e Carvalhais. Antes das eleições, o programa dirigido pela jornalista Sandra Felgueiras apresentava mais do que uma reportagem, muitas delas incómodas para governantes e não só.

No programa emitido esta sexta-feira, Sandra Felgueiras entrevistou Nuno Cardoso, antigo presidente da Câmara Municipal do Porto, em que este revelou uma reunião informal com João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e da Transição Energética, e João Galamba, secretário de Estado da Energia. No encontro, Nuno Cardoso alertou os dois representantes do Estado para a situação complexa em que estava a empresa Lusorecursos Portugal Lithium, que ganhou o concurso da exploração de lítio em Montalegre.

Na altura da reunião, o antigo autarca do município do Porto alertou que seria melhor esperar pelo diferendo entre as partes em tribunal. No entanto, João Pedro Matos Fernandes atirou a decisão para João Galamba, considerando que deveria ser o secretário de Estado a ter a última palavra. E teve: João Galamba autorizou, dois dias depois, mesmo assim, a concessão da exploração à Lusorecursos Portugal Lithium.

A polémica continua, seja à volta do tema das ilegalidades nos contratos, seja pelas ‘barreiras’ impostas ao programa que se tem revelado, ao longo do tempo, um incómodo para o atual Governo. O primeiro programa de Sandra Felgueiras, depois das férias forçadas, emitido na semana passada, já depois das eleições, resultou numa troca de galhardetes entre o secretário de Estado e a jornalista. Para rebater os dados da reportagem emitida, o governante foi ontem ao programa onde confrontou Sandra Felgueiras.

Mas tudo tudo começou nas redes sociais. João Galamba alegou que "a Lusorecursos adquiriu direitos de prospeção e pesquisa em 2012, quando a tutela era do ministro da Economia à data, Álvaro Santos Pereira". "O Sexta às 9 alimenta mentiras. Ao contrário do que diz na sua peça, a verdade é que a concessão de lítio em Montalegre foi garantida a partir do momento em que o anterior Governo (PSD-CDS) atribuiu direitos à empresa", acrescentou. Sandra Felgueiras reagiu num comentário ao post do ex-governante, lembrando que se o contrato não levantasse suspeitas, o Ministério Público não estaria a investigar o caso. "Atacar a solidez das nossas dúvidas é atacar, neste momento, o Ministério Público, que abriu um inquério-crime", referiu a coordenadora do Sexta às 9.

A verdade é que o programa continua a mexer com alguns assuntos que deixam os membros do Governo desconfortáveis.

Não muito longe está a polémica à volta da data de regresso dos Sexta às 9. Tudo porque o programa de Sandra Felgueiras foi de férias, mas a data prevista para o regresso era 13 de setembro. Não aconteceu. Pouco depois, a página de Facebook do programa anunciava que o regresso estava marcado apenas para 11 de outubro: a sexta-feira a seguir às eleições.

O assunto saltou para as luzes da ribalta com uma crónica de Eduardo Cintra Torres escrita no Correio da Manhã, onde garantia que existem "fios invisíveis» que sugerem que a direção da estação pública tem assumido uma «servidão voluntária» face ao Governo de António Costa. A RTP justificou a decisão, desmentiu a suspensão e garantiu que as alterações existentes à grelha de programação estavam relacionadas com a cobertura da campanha eleitoral, garantindo ainda que «todas as alterações foram articuladas com os responsáveis dos vários programas".

Apesar da resposta da estação pública, o SOL sabe que existe um clima de tensão na RTP principalmente no que diz respeito ao programa Sexta às 9 e à sua equipa, uma vez que temas como o caso Familygate e o negócio do lítio deixaram a direção incomodada.

Aliás, essa mesma informação foi confirmada ao SOL por fonte da estação que garante que «há uma relação tensa e é notório o desinvestimento no programa, nomeadamente na equipa. A direção de informação não acha piada a nada que ponha em causa o poder».

Até porque esta é a primeira vez que a RTP alterou a data de regresso de um programa de investigação devido às eleições, pelo menos desde as legislativas de 2015. Também não aconteceu em outros atos eleitorais. Aliás, o programa foi emitido a 2 de outubro de 2015, dois dias antes das eleições legislativas.

 

Queixas

O mau estar na RTP já chegou à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC). Tal como o SOL já tinha avançado na edição de 4 de outubro, a ERC confirmou já ter recebido participações pelo facto de o programa ter estado ausente da emissão da RTP. "Segue-se o procedimento normal de apreciação", disse a ERC.