Sociedade

Professor agride violentamente aluno em escola em Alvalade

Alunos, que assistiram à agressão, confirmaram a versão da vítima.

Um aluno da Escola Secundária Rainha Dona Leonor, em Alvalade, foi agredido por um professor, na manhã desta segunda-feira, durante uma aula.

De acordo com a notícia avançada pela MAGG, o incidente aconteceu durante uma aula de apresentação da disciplina, quando os alunos se iam apresentando, um a um, ao docente, que estava a dar a segunda aula naquela escola, como substituto de uma outra professora.

“Era a nossa primeira aula de TIC, não estávamos a dar matéria, estávamos só a apresentar-nos, é normal que não estivesse tudo muito quieto (...) Estava tudo a brincar, uns iam lá à frente e diziam que se chamavam outro nome qualquer, e o professor até se ria. Só que depois aconteceu aquilo”, contou, em declarações à mesma revista, um dos alunos da turma.

Tudo terá acontecido quando o aluno não respeitou o alerta do professor para o facto de não poderem usar o telemóvel, fazendo com que o docente lhe tentasse tirar o aparelho.

“Ele esquivou-se e impediu que o professor agarrasse o telefone. Foi então que o professor se passou e começou aos berros“, contou outro aluno.

De acordo com a direção da escola, o aluno, de 13 anos, terá pegado no telemóvel para ver as horas. Segundo a sua versão, confirmada por outros alunos da turma, antes de agredir a vítima, o professor terá gritado com este de forma agressiva.

“Dá cá o caralho do telemóvel, filho da puta”, terão sido as palavras proferidas pelo docente, que, depois de o aluno não deixar o telemóvel, o agarrou pelo pescoço e atirou-lhe a cabeça contra uma das mesas.

Segundo a MAGG, depois da agressão, houve alunos a correr para fora da sala à procura de ajuda e outros que tentaram que o professor largasse o rapaz.

“[O professor] Estava extremamente exaltado e a versão dele não era muito clara, por isso achámos por bem mandá-lo embora, para que pudesse apresentar a sua versão por escrito”, explicou a diretora da escola, Hermínia Silva, aos pais dos alunos, acrescentando ainda que acredita que o docente irá “rescindir o contrato”, como o próprio lhe comunicou.

“Nada justifica este comportamento e a prova disso é que está aqui a polícia. Não faço ideia do que leva um professor a fazer isto. Em 20 anos de escola não me lembro de nada assim”, referiu ainda.

A PSP esteve na escola, e ouviu a mãe do aluno agredido, a vítima, bem como outros alunos.

O pescoço da vítima, do qual foram feitos registos fotográficos, estaria com marcas negras que chegavam também à cara.

O aluno foi transportado para o Hospital da Estefânia, em Lisboa.