Economia

Projeto Novo Cais promete “devolver” rio à cidade

Renovação da frente ribeirinha tem um custo total de 27 milhões de euros e vai alterar rosto da cidade entre o Terreiro do Paço e Santa Apolónia.

Foi hoje apresentado o projeto para a reabilitação da frente ribeirinha central, em Lisboa, desde o Terreiro do Paço à Doca da Marinha (Santa Apolónia), e que tem como objetivo dotar a cidade de condições únicas para a atividade marítimo-turística, o transporte público fluvial entre as duas margens do rio Tejo e a criação de espaços de lazer e equipamentos.

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medida, afirma que o projeto “devolve o rio aos lisboetas e disponibiliza-o, em todo o seu esplendor, aos visitantes nacionais e estrangeiros que acolhemos todos os anos”. Segundo o autarca, esta obra “é um passo importante na valorização da cidade e na capacidade de inovação e diferenciação da sua oferta”.

A reabilitação da zona é da responsabilidade da Associação Turismo de Lisboa, por incumbência da Câmara Municipal de Lisboa, e tem conclusão prevista para o segundo semestre de 2020. O investimento total está estimado na ordem dos 27 milhões de euros.

O projeto prevê a criação de várias atrações turístico-culturais, que incluem a criação de um grande espaço arborizado, na Doca da Marinha; a recuperação e instalação de equipamentos urbanos, como pontões, cafetaria, quiosque, restaurante e esplanada; a abertura dos espaços Bacalhau Story e Centro Tejo; e ainda um espaço próprio de ancoragem para o histórico navio Creoula, disponível para visitas.