Internacional

Sánchez vai ter de esperar pela segunda votação para PM

Mas à segunda tentativa, marcada para terça-feira, deverá ser de vez, graças à abstenção da ERC e apoio do Unidas Podemos, que fará parte do Governo.

O líder dos socialistas do PSOE, Pedro Sánchez, perdeu este domingo a primeira votação à sua investidura como primeiro-ministro espanhol, conseguindo o apoio de apenas 166 dos 176 deputados que precisava para ter maioria absoluta.

O resultado era esperado, mas é quase certo que à segunda será de vez, dado que então Sánchez só necessitará de uma maioria simples - ou seja, mais votos a favor do que contra. Este domingo apenas 165 deputados votaram contra, graças à prometida abstenção dos independentistas da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC). Tudo indica que esta terça-feira, na segunda votação, será aprovado um Governo de coligação entre o PSOE de Sánchez e os esquerdistas do Unidas Podemos, liderados por Pablo Iglesias.

O programa acordado incluí a subida dos impostos aos mais ricos - a partir dos 130 mil euros de rendimento anual - e grandes empresas, aumento do salário mínimo - até aos 1200 euros ao longo da legislatura - e reversão das reformas laborais levada a cabo pelo Partido Popular (PP), em 2012. A chamada “coligação progressista” também se quer focar em áreas como os direitos das mulheres e do combate às alterações climáticas.

Recorde que Espanha esteve sem Governo a maior parte do ano passado, quando foi duas vezes a eleições, em abril e novembro, resultando em sucessivas vitórias do PSOE, mas sem uma maioria conclusiva. Nos últimos anos o espetro partidário espanhol tornou-se cada mais fragmentado, com o surgimento do Podemos (que se fundiu com a Esquerda Unida), do Ciudadanos no centro-direita e do Vox na extrema-direita.

Longe vão os tempos do bipartidarismo, e o PSOE acabou por aceitar uma coligação com o Unidas Podemos, que ainda dependerá dos independentistas catalães - recebendo pesadas críticas à direita.