Economia

Turismo a caminhar para novos recordes

Depois de alguns sinais de abrandamento, o setor do turismo voltou a ganhar um novo fôlego. Governo prevê fechar 2019 com 18,1 mil milhões de receitas e 27 milhões de hóspedes.

O turismo prepara-se para fechar 2019 com novos valores recorde. O Governo prevê atingir 18,1 mil milhões de euros de receitas turísticas e cerca de 27 milhões de hóspedes. A confirmar-se, será alcançado um novo recorde neste indicador, depois dos mais de 16 mil milhões que o setor arrecadou em 2018, e dos cerca de 25,2  milhões de hóspedes recebidos. A garantia foi dada pela secretária de Estado do Turismo.

Para Rita Marques, o turismo está a «entrar num novo capítulo» e definiu três prioridades para os próximos anos: garantir que a oferta é «elástica para captar a atenção de suficientes mercados» e assegurar uma «gestão eficiente da sazonalidade» e a coesão territorial.

O que é certo é que os números falam por si. De acordo com os últimos dados divulgados, esta semana, pelo Instituto Nacional de Estatística, o setor recebeu 1,8 milhões de hóspedes e 4,1 milhões de dormidas em novembro, o que representa um aumento de 12,5% e 7,2%, respetivamente, face ao mês anterior. Este crescimento deve-se, em grande parte, ao aumento das dormidas de residentes, que subiram 14,1% – ainda assim, representa um decréscimo de 0,8% face a outubro –, enquanto as de não residentes aumentaram 4,2% (uma subida de 2,6% quando comparada com o mês anterior).

Mas os números são mais significativos se forem contabilizados os turistas que o país recebeu desde o início do ano. Ao todo, os estabelecimentos turísticos receberam cerca de 25,4 milhões de hóspedes, um aumento de 7,1% face a igual período do ano passado, correspondentes a mais de 66 milhões de dormidas.

Já as receitas arrecadadas mantêm o ritmo de abrandamento. O rendimento médio por quarto disponível fixou-se em 51,3 euros no período de janeiro a novembro, um aumento de apenas 1,8%. Já os proveitos totais arrecadados pela hotelaria ultrapassaram os 4 mil milhões de euros, uma subida homóloga de 7%. Mas tendo em conta apenas o mês de novembro, os proveitos totais aumentaram 10,2%, atingindo os 229,6 milhões, enquanto os proveitos de aposento se fixaram em 164,8 milhões, crescendo 9,3%.

Portugal está a atrair as atenções dos turistas chineses, norte-americanos e também canadianos.