Internacional

Croácia abalada (literalmente) em plena quarentena

Abalo acontece numa altura em que a Croácia tenta combater a covid-19. “Temos duas crises paralelas que se contradizem”, diz ministro.

A Croácia acordou ontem abalada por um terramoto de magnitude 5,3 na escala de Richter que decorreu às 6h30 locais (4h30 em Portugal) e levou à rua muitos cidadãos, apesar da quarentena e das medidas de restrição que o país atravessa devido à pandemia de covid-19. O epicentro do sismo foi registado a sete quilómetros a norte de Zagreb, a uma profundidade de 10 quilómetros.

Segundo Andrej Plenkovic, primeiro-ministro croata, este foi o maior sismo em Zagreb nos últimos 140 anos.

Apesar de não terem sido registadas vítimas mortais, existem vários feridos, um deles em estado grave, avança a Associated Press, que revela ainda que um hospital local teve de ser evacuado.

Mesmo sem vítimas mortais, as autoridades locais relatam vários danos associados ao sismo, como cortes de energia e água, incêndios em bairros e vários edifícios danificados, com destaque para a Catedral de Zagreb – que foi reconstruída depois de um terremoto em 1880 –, que perdeu um dos seus pináculos.

O sismo, segundo testemunhos citados pela agência Efe, foi sentido no centro da Croácia, na Eslovénia e no sul da Áustria.

Ainda segundo a imprensa local, há relatos de várias mães com bebés recém-nascidos ao colo num parque de estacionamento, depois de ter sido evacuada uma maternidade que não resistiu ao abalo. As imagens são descritas como um cenário de terror face aos destroços e às baixas temperaturas que se faziam sentir. As incubadoras foram mais tarde transferidas para outro hospital, com a ajuda do exército.

 

Dois problemas contraditórios

O terramoto acontece numa altura em que também a Croácia se vê a braços com a covid-19. Atualmente, e segundo os últimos dados, o país regista uma morte e 206 afetados confirmados. Nesse sentido, as pessoas foram aconselhadas a evitar áreas públicas, como parques e praças, mas ontem não tiveram grande escolha para poderem fugir de suas casas.

“Existem protocolos perante um sismo. Mas quando um sismo acontece combinado com uma pandemia global, é uma situação muito mais complicada. Temos duas crises paralelas que se contradizem”, avançou o ministro do Interior, Davor Bozinovic, citado pela Reuters.

Durante o dia de ontem, as autoridades croatas uniram esforços para limpar alguns destroços, numa altura em que estão danificadas as principais artérias da cidade. No entanto, o primeiro-ministro deixou a garantia: “Vamos tentar limpar as ruas o mais rápido possível”. E alertou ainda os cidadãos para que fiquem longe das casas danificadas e que não se esqueçam da pandemia de covid-19, tentando manter pelo menos a distância de segurança.