Economia

Fnac requer layoff para 91% dos colaboradores

O layoff simplificado tem efeito a partir de 1 de abril, e a duração de 30 dias. A Fnac admite, porém, que este layoff possa ser renovado em maio. No total, são 1600 trabalhadores abrangidos.

A Fnac Portugal anunciou esta sexta-feira que requereu o layoff simplificado para 91% dos colaboradores da empresa. No total, a medida vai abranger 1600 dos 1800 colaboradores da cadeia de lojas.

Na sequência da pandemia de covid-19, a Fnac já havia encerrado, a 19 de março, a maioria das suas lojas em Portugal, e no início desta semana fechou as restantes sete que se mantinham de portas abertas, embora a funcionar em serviços mínimos. O canal online da Fnac continua a funcionar nesta fase.

Em comunicado, a Fnac Portugal refere que a medida tem como objetivo “garantir os mais de 1.800 postos de trabalho permanentes”. "Aceder a este programa de exceção é a única forma, disponível neste momento, para tentar minimizar os avultados prejuízos imediatos e garantir um futuro para a organização e os seus colaboradores", lê-se na nota.

O layoff simplificado tem efeito a partir de 1 de abril, e a duração de 30 dias. A Fnac admite, porém, que este layoff possa ser renovado em maio.

No comunicado, a Fnac Portugal explica que requereu o layoff total para 87% dos colaboradores “cujas funções foram suspensas na totalidade, sendo na sua grande maioria colaboradores que desempenham funções nas lojas Fnac que se encontram encerradas. O layoff parcial vai ser "aplicado a 4% colaboradores que continuam em funções mas com redução de horário". Os restantes colaboradores (9%) continuam a "desempenhar a totalidade das suas funções".