Politica

Costa avisa que país não volta ao normal após estado de emergência mas admite "encarar maio de forma diferente"

"Não é momento ainda para baixar a guarda", sublinhou o chefe de Governo, após reunião com D. Manuel Clemente.

O primeiro-ministro, António Costa, registou hoje que a Assembleia da República tem trabalhado em estado de emergência. Mas não quis manifestar-se sobre as comemorações do 25 de Abril.

António Costa e o Cardeal Patriarca de Lisboa reuniram para avaliar o aliviar de restrições após o estado de emergência, mas não foi anunciada uma decisão. António Costa está a fazer uma ronda pelas confissões religiosas no âmbito da preparação de medidas para o mês de maio.

O chefe de Governo adiantou ainda que caberá à Conferência Episcopal Portuguesa definir a estratégia para o período pós-estado de emergência. Em todo o caso, Costa afirmou que o que lhe foi transmitido “ é que a igreja continuará a ser um exemplo e uma referência na forma de celebração da fé, mantendo naturalmente as regras que podem contribuir positivamente para a saúde pública”.

António Costa fez questão de deixar a garantia de o país não vai voltar ao normal, mesmo depois de o estado de emergência terminar. Para o primeiro-ministro, "não é momento ainda para baixar a guarda". "Só no Verão de 2021 podemos contar com vacina", acrescentou.

Por outro lado, Costa disse: "Se mantivermos o esforço, podemos começar a encarar o mês de maio de forma diferente".