Tautologias

Só a História resiste às garras do tempo

‘Se não fosse Hong Kong, Macau ainda poderia ter administração portuguesa’

A China tem os arquivos historiográficos mais vastos do mundo, os mais antigos, rigorosos, recorrentemente verificados. Registavam o passado para determinarem a ’propensão’ – o instante certo, na conceção chinesa da História – para intervir na ordem humana sem perturbar a ordem cósmica. 

Sem se perceber que a História está sempre presente na China, não se compreenderá nada dessa civilização e da política chinesa hoje.

Em vários momentos em que, para a lógica ocidental, seria ‘natural’ a China retomar a administração do território de Macau, isso não aconteceu. Só se verificaria em dezembro de 1999. 

O último desses momentos foi no tempo da Revolução Cultural, quando, na sequência de uma situação delicada, a ordem na cidade foi assumida num breve período pelas associações cívicas chinesas, aliadas dos portugueses no governo de Macau. E ninguém foi molestado, como jamais esquecerei. 
 
Em novembro de 1793, uma embaixada inglesa foi enviada à corte do imperador Quianlong.

Antes, preparando a visita, o imperador dirigira de Pequim um édito ao governador militar de Cantão informando-o dos «pedidos [...] dos bárbaros para obterem uma pequena ilha onde pudessem residir permanentemente».

Seguiu-se este diálogo entre o governador de Cantão e o imperador, que selaria o malogro da embaixada de McCartney:
Guo Shixun – Os ingleses, quando chegam a Macau, têm de arrendar as suas habitações aos portugueses. A sua situação é a de convidados perante um anfitrião. Foi por isso que o enviado [britânico] pediu lhe fosse concedido um lugar onde pudessem colocar as suas mercadorias, o equivalente ao que Macau é para os portugueses. 

Imperador – Absolutamente impossível. 

Guo Shixun – A instalação dos portugueses remonta aos Ming, há mais de duzentos anos. Esses bárbaros acabaram por amar aquelas terras e mergulharam na influência benéfica do imperador. Não se diferenciam do resto do Império.

Qianlong – Precisamente. 

Imperador – É necessário, de acordo com as vossas santas instruções, que a defesa costeira seja rigorosa. Os bárbaros ingleses não deverão poder instalar-se na menor parcela do território do Império. 

Qianlong – Isso deve ser inteiramente impedido.

Aconteceu que esses ‘bárbaros’ viriam a instalar-se na China pela força e infligiriam a humilhação mais ignóbil a um povo e uma civilização com 4 000 anos de História. A China nunca retaliaria, mas nunca esquecerá.
 
Nas vésperas do meu regresso a Portugal, num final de tarde tranquilo, visitou-me no gabinete que ocupava no palácio do Governo de Santa Sancha um jovem engenheiro filho do mais respeitado representante da comunidade chinesa, deputado na Assembleia Legislativa de Macau e membro da Assembleia Nacional Popular da RDC.

Disse-me: «Sabe, se o tempo da resolução do problema de Hong Kong não tivesse chegado, Portugal continuaria a administrar Macau».

Só anos depois percebi a mensagem que aquele amigo me deixara na despedida.

E os portugueses continuam na cidade mítica.

Uma relação que o registo escrito da História protege das garras devoradoras do tempo.