Sociedade

Já foram recolhidas 2 mil amostras em empresas da Grande Lisboa

Na conferencia desta terça-feira, Graça Freitas e António Sales falaram sobre o crescimento significativo de novos casos na região de Lisboa e Vale do Tejo e na estratégia para conter a propagação do vírus no país.


Segundo o balanço diário das autoridades desta terça-feira sobre a evolução do novo coronavírus no país, foram confirmados mais 12 óbitos e 195 novos casos de pessoas infetadas nas últimas 24 horas. Há 19 860 pessoas dadas como recuperadas da covid-19 e 432 doentes hospitalizados, dos quais 58 estão em unidades de cuidados intensivos. A taxa de letalidade global é de 4,4% e acima dos 70 anos é de 17,3%.

O secretário de Estado da Saúde, António Sales, depois de apresentar os números do boletim epidemiológico, começou por falar sobre o foco na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde foram registados o maior número de casos de covid-19 nos últimos dias e diz que esta é a região que reúne "as maiores atenções e preocupações" por parte das autoridades de saúde. A estratégia passa por "identificar testar e isolar muito rapidamente", uma estratégia "muito agressiva", segundo a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

“Durante o dia de ontem foram recolhidas 945 amostras provenientes de rastreios em empresas” da Grande Lisboa, afirma António Sales, sublinhando que o total, desde sábado, é de 2 mil amostras. "O INEM tem um plano de testagem em curso em várias dezenas de empresas da região de Lisboa — a maioria na zona da Azambuja —, tendo sido recolhidas amostras em algumas dessas empresas,” adiantou. Apesar de o plano das entidades de saúde para impedir a propagação do novo coronavírus já estar em marcha, o secretário de Estado sublinha que  "medidas tomadas agora so terão impacto dentro de duas semanas".

António Sales afirma que são realizados cerca de 7 mil testes por dia. Têm sido realizados testes em "trabalhadores de estaleiros, em zonas identificadas, os testes são feitos em coabitantes e contactos próximos e depois o confinamento", explicou o governante. Graça Freitas também abordou o assunto e diz que estes novos casos pertencem a pessoas da população mais jovem e que não tem havido reflexo entre o número de novos casos e internamentos. 

Sobre a questão do vírus estar a perder força, visto na grande maioria dos países existir uma descida significativa no aparecimento de novos casos e especialistas italianos terem vindo a público declarar que o vírus poderia estar a perder a intensidade, Graça Freitas diz que é preciso ter cautela em relação aos estudos sobre a covid-19. A diretora-geral da Saúde pintou o cenário atual no país em relação à transmissão e diz que esta ainda está ativa na região Norte e na região de Lisboa e Vale do Tejo. Por outro lado, as regiões Centro Alentejo e Algarve têm "pequenos focos localizados", e a Madeira e os Açores "têm apenas transmissão esporádica".

Os procedimentos de limpeza nas viaturas do INEM foram ainda abordados durante a conferencia desta terça-feira devido à presença de Luís Meira, presidente do Conselho Diretivo da instituição. O responsável afirmou que o "INEM tem mais de 100 ambulâncias dispersas pelo país" e que "cada uma delas tem profissionais de Saúde competentes", assim como "todos os equipamentos necessários para garantir a higienização e limpeza de forma adequada". Luís Meira garantiu ainda que o INEM dispõe de "algumas ambulâncias dedicadas exclusivamente ao transporte de doentes suspeitos de covid-19 ou até doentes confirmados".

"Com a colaboração da GNR e, numa fase posterior, do Exército, foi possível implementar essas linhas de descontaminação que se iriam manter enquanto estivéssemos em fase de contenção, sendo que até foi possível prolongar durante mais algum tempo. Embora eu perceba que para os nossos profissionais é mais tranquilo terem alguém que, de maneira mais rápida promove a limpeza e a desinfeção das ambulâncias, isto é uma das suas funções, das suas competências", acrescentou.