Vinagrete

Testagens de Covid e de bebés

As autoridades de saúde disseram que as muitas testagens, só por si, não explicam o excesso de casos de Covid 19 na região de Lisboa. Foi na reunião do Infarmed com os políticos, incluindo os de Oposição, e os jornais disseram que as autoridades de saúde (talvez sentindo-se também bastante culpadas) estavam a contrariar a narrativa dos últimos dias do nosso Governo. Costa, caindo em si, diria depois ser favorável às testagens.

Trump, esquecendo que a lógica é quase sempre uma batata (apesar dos seus campos de golfe, jogo em que se percebe bem que a lógica não funciona), anunciou igualmente que menos testagens dariam menos casos.

Um dia destes, o Inimigo Público dizia que seguindo essa lógica, algumas autoridades políticas iam sugerir às mulheres que estavam à espera de bebés não fazerem também testes, e os terem depois às escondidas e fora dos holofotes das estatísticas, pois essa seria uma forma de os países terem menos bebés. Tal e qual como as infecções.

 Entretanto, continua o orgulho nacional ferido pelos ingleses (cheios de razão e de Covid 19, pelo que não deveríamos querê-los a infectar-nos), e o Governo no seu laxismo habitual. Dizia-me alguém que o escândalo maior não foi só no Lar de Reguengos, onde se esperou pela infecção de todos e por uns berros da Ordem dos Médicos, para montar um hospital de campanha destinado aos utentes infetados do dito Lar, dizia eu que o problema não foi só nesse Lar, mas igualmente noutros. Terá sido mesmo? De qualquer modo, perante as últimas declarações do primeiro-ministro e a ministra da Saúde já não tenciono acreditar em nada do que eles disserem.