Economia

OE2021 esquece setor automóvel, diz ARAN

Associação Nacional do Ramo Automóvel diz que setor “necessita de medidas mais fortes para impulsionar a retoma económica”.

A Associação Nacional do Ramo Automóvel (ARAN) já reagiu ao Orçamento do Estado para este ano e garante que o documento “esquece o setor automóvel sem uma única medida de apoio específico”.

Segundo a associação, este setor “necessita de medidas mais fortes para impulsionar a retoma económica e renovação do parque automóvel, como a aposta na redução do ISV e o registo profissional de revendedores de usados”.

“O Orçamento de Estado não está a apoiar o setor automóvel. Em oposição está apenas a aumentar o fosso fiscal, acentuando as diferenças e favorecendo a economia de outros países em detrimento da nacional. A ARAN está desiludida pois o Orçamento de Estado vai estimular a importação de carros usados, sendo importante criar o registo profissional revendedores de usados para combater a evasão fiscal e a concorrência desleal. Neste momento deveria ser estimulada a retoma de um setor que representa cerca de 20% das receitas fiscais do Estado, 19% do PIB português e empregando cerca de 200 mil pessoas” defende Rodrigo Ferreira da Silva, presidente da ARAN.

Nesse sentido, a associação apela ao Governo que apoie a redução do ISV mas também o incentivo ao registo profissional de revendedores usados. “Estas são duas medidas estratégicas propostas pela ARAN ao Governo, importantes para impulsionar a retoma económica, dado que fortaleceriam o aumento da tesouraria das empresas, apoiariam a renovação do parque automóvel e atenuariam o impacto da quebra da receita fiscal (ISV e IVA)”, defende a ARAN acrescentando que “enquanto a criação de um registo profissional de revendedores de veículos automóveis seria fundamental para o combate à evasão fiscal e potenciaria a criação de uma base estatística fidedigna referente ao comércio de automóveis usados em Portugal”.

Rodrigo Ferreira da Silva não tem dúvidas que “a mesma proposta que reconhece uma quebra global da procura automóvel não apresenta qualquer medida para apoiar o setor. Este é o momento crucial para apoiar o setor automóvel que tem sido muito penalizado em Portugal, tanto na compra de veículos como em toda a sua utilização”.

A associação relembra ainda a importância do setor automóvel para economia e defende que “todas as viaturas devem ter redução de ISV, um estímulo à procura, com 50% de apoio até o limite 2500€, nos carros de gama pequena e média e utilitários.  A ARAN ressalva que esta é uma medida necessária para estimular consumo e a renovar o parque automóvel, muito pouco amigo do ambiente, ajudar as empresas a transformar a mercadoria em liquidez”.