Politica

António Costa recusa passar recolher obrigatório para as 15h00 nos próximos dois fins de semana

“Não foi por acaso que escolhemos as 13h00, porque temos precisamente em conta aquilo que todos os inquéritos epidemiológicos nos dizem: 68% das transmissões estão a correr neste momento em momentos de convívio familiar e social”, justificou Costa.

O primeiro-ministro rejeitou, esta quarta-feira, passar o recolher obrigatório das 13h00 para as 15h00 nos dois próximos fins de semana, uma sugestão que veio do setor da Restauração de modo a não ser tão prejudicado, depois de ter estado reunido com o líder da Confederação Europeia de Sindicatos (CES), Luca Visentini, em São Bento. António Costa afirma que é necessário evitar os convívios sociais à hora de almoço, daí a decisão de limitar a circulação a partir das 13h00 nos concelhos mais afetados pelo novo coronavírus. 

“Não foi por acaso que escolhemos as 13h00, porque temos precisamente em conta aquilo que todos os inquéritos epidemiológicos nos dizem: 68% das transmissões estão a correr neste momento em momentos de convívio familiar e social”, justificou Costa, sublinhando que os restaurantes continuam a ter permissão para funcionar em regime de entregas ao domicílio. 

O primeiro-ministro diz saber que as medidas que vão ser aplicadas no fim de semana para impedir a propagação da covid-19 vão afetar especialmente os restaurantes. "As pessoas podem adiar a compra de uma camisa ou de umas calças, mas uma refeição não é adiável”, disse, voltando a reafirmar que o Governo está a preparar um conjunto de medidas de apoio especialmente para o setor da Restauração, tal como já tinha anunciado esta segunda-feira, durante uma entrevista à TVI. "Essas medidas serão hoje ou na quinta-feira anunciadas” pelo ministro de Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, acrescentou Costa.