Desporto

Luz para liderar e só um cenário: ganhar

«Está sempre escrito no quadro: ganhar. O meu objetivo é fazer golos». Fernando Santos lembrou que o Portugal-França é uma final: «A vitória de uma das equipas resolve o grupo».

Portugal e França discutem este sábado, no estádio da Luz, a liderança do grupo 3 da Liga das Nações, um jogo decisivo para a qualificação para a fase final da competição (final four). As atuais campeãs da Europa e do Mundo defrontam-se pela segunda vez depois do empate sem golos no Stade de France, na jornada três do agrupamento. Antes, a equipa das quinas tinha goleado a Croácia (4-1), arrancando da melhor maneira a defesa do título na mais recente prova da UEFA, e vencido a Suécia, em Solna, por 2-0, com bis de Cristiano Ronaldo. Entretanto, a formação lusa voltou a vencer os suecos, desta vez em casa, por 3-0. O jogo com os franceses vai acontecer, de resto, dias depois do ensaio de luxo da seleção portuguesa frente a Andorra, em particular disputado na Luz. Os andorrenhos voltaram a ser presa demasiado fácil para Portugal, que conquistou a sexta vitória no mesmo número de duelos disputados com a modesta seleção das montanhas dos Pirenéus. Resultado: 7-0, numa goleada em grande parte desenhada com as estreias de sonho de Pedro Neto e Paulinho pela seleção A, além do perseguidor de recordes Ronaldo. Ojogador do Wolverhampton inaugurou o marcador, enquanto o ponta-de-lança do Sp. Braga bisou na partida. Renato Sanches, um autogolo de Garcia, Cristiano Ronaldo e João Félix também fizeram parte do número gordo mostrado pelo marcador no final da partida. O capitão da equipa das quinas conseguiu ainda mais um feito histórico: CR7 alcançou a 100.ª vitória por Portugal, 17 anos depois de ter feito a sua estreia em Chaves, com um triunfo por 1-0, ante o Cazaquistão. Com 168 internacionalizações, o avançado de 35 anos soma 102 golos com a camisola portuguesa, ficando cada vez mais perto do recorde mundial de goleador máximo por seleções, ainda na posse do iraniano Ali Daei (com 109 golos). 

O selecionador nacional, Fernando Santos, anteviu ontem o duelo com a equipa francesa e garantiu que se trata de uma «final». «É um jogo decisivo. Campeão do mundo contra campeão da Europa, quer dizer que já passaram por muitos jogos decisivos. O mal é quando não temos jogos decisivos. Isso quer dizer que Portugal é uma das grandes seleções do mundo. Estes jogos são finais para ganhar – não é uma final total, mas é decisivo no caso de uma vitória de uma das equipas», lembrou.
De notar que Didier Deschamps e companhia foram surpreendidos em Paris, durante a semana, com a derrota por 2-0 no encontro amigável diante da Finlândia. Irreconhecíveis, os franceses perderam pela primeira vez frente à seleção nórdica na história dos confrontos entre as duas equipas.
Com dez pontos, Portugal e França dividem o topo da tabela do agrupamento. Depois de medirem forças, os portugueses vão fechar a fase de grupos em Split, ante os croatas, atuais vice-campeões do Mundo (17 de novembro, terça-feira). No mesmo dia, a seleção gaulesa recebe a Suécia, também na última jornada do grupo 3.

Euro 2020: Hungria no grupo de Portugal

Portugal conheceu na quinta-feira o seu primeiro adversário no Campeonato da Europa 2020: a Hungria. Com a realização dos playoffs de apuramento via Liga das Nações, ficou completo o lote de seleções que vão disputar o Euro 2020, adiado para o próximo ano devido à pandemia de covid-19. Depois de derrotar a Islândia (2-1), a Hungria garantiu um lugar no grupo F, onde vai defrontar Portugal, Alemanha e França. O conjunto magiar vai ser, assim, o primeiro desafio de Portugal na prova (15 de junho). A equipa das quinas defronta depois os alemães (19 de junho) e os franceses (23 de junho). Depois de tentar revalidar o título na Liga das Nações, a seleção portuguesa vai iniciar a defesa do troféu no Europeu: em 2016 fez história ao conquistar a prova pela primeira vez, precisamente diante dos anfitriões franceses, no Stade de France, com golo de Eder.