Cultura

Livraria Campos Trindade fecha as portas

Encerramento deve-se à dificuldade de comportar uma renda elevada numa altura de fortes quebras devido à pandemia. Proprietário anunciou intenção de reabrir noutro espaço.

Fundada por Tarcísio Trindade há 44 anos, a Lîvraria Campos Trindade encerrou definitivamente o seu espaço na Rua do Alecrim, em Lisboa, onde não voltará a reabrir depois do confinamento decretado pelo Governo. «Encham-me a montra com flores. Todas as grandes histórias têm um fim. Chegou agora a nossa vez», anunciou na página do Facebook da livraria Bernardo Trindade, filho do fundador e atual responsável pelo espaço. No último dia em que teve a porta aberta recebeu centenas de clientes e amigos, entre os quais o Presidente da República. O objetivo é que no futuro a Campos Trindade possa voltar a reabrir noutro local.

Situada no número 44 da Rua do Alecrim, a livraria alfarrabista Campos Trindade nasceu como fruto do amor de Tarcísio Vazão Trindade, presidente da Câmara de Alcobaça antes do 25 de Abril e que na ressaca da revolução viria a fixar-se em Lisboa, pelo livro antigo. Dedicava-se a descobri-los e recuperá-los. Deve-se-lhe a descoberta, por exemplo, de Tratado de Confissom, obra pastoral impressa em Chaves em 1489 e dirigida aos sacerdotes com a responsabilidade de ministrar o sacramento da penitência, que localizou em 1965 e constitui o mais antigo livro impresso em língua portuguesa que se conhece.

Bernardo Trindade explicou ao Público que o encerramento da livraria-alfarrabista se deve ao valor da renda, «incomportável», numa altura em que por força da pandemia os clientes passaram a frequentar menos o espaço.