Sociedade

Pedidos de ajuda ao Banco Alimentar do Porto regista aumento de 600%

"Já há pessoas em situação limite, que não têm alimentação em casa", afirma responsável.


O Banco Alimentar do Porto registou um aumento de 600% nos pedidos de ajuda, desde o inicio da pandemia, confirmou, esta quarta-feira, a responsável do serviço social, acrescentando que atualmente apoiam 60 mil pessoas no distrito do Porto.

"Os pedidos de ajuda têm aumentado e o perfil das pessoas que pedem ajuda também mudou radicalmente", explicou Inês Pinto Cardoso, em declarações à agência Lusa.

Antes da covid-19 ter chegado ao país, os pedidos chegavam, na maioria, de pessoas com o Rendimento Social de Inserção (RSI) ou de reformados, mas atualmente são "pessoas que perderam o emprego e que nunca se imaginaram a passar por esta situação" que mais recorrem à instituição.

"A maioria das pessoas que pede neste momento ajuda alimentar nunca a recebeu e nunca se imaginou nesta situação", sublinhou a responsável, admitindo que algumas pessoas "sentem vergonha em pedir ajuda".

“As faixas etárias dos pedidos também se alteraram. Neste momento, estamos a receber mais pedidos de ajuda de pessoas nas faixas etárias entre os 20 e 45/50 anos", afirmou. "Já há pessoas em situação limite, que não têm alimentação em casa", lamentou.