Tautologias

E se a Srª Merkel quisesse viver dois anos em S. Bento?

Devotos, oportunistas ou idiotas úteis dão ‘vivas’ alegremente aos labregos corruptos que mantêm refém Portugal, e vão comer-lhes à mão migalhas e ilusão de poder

1. Somos o país mais pobre e menos instruído, mais resignado e submisso da Europa (é por isso que o programa das extremas-esquerdas é sempre o programa da miséria). Mas ocultamos essa realidade a nós próprios. E assim não nos libertamos de um destino trágico. Árabes da Europa, vegetamos numa impotência que parece alimentar-se do luto imperfeito da aventura e grandeza antigas.
Devotos, oportunistas ou idiotas úteis dão ‘vivas’ alegremente aos labregos corruptos que mantêm refém Portugal, e vão comer-lhes à mão migalhas e ilusão de poder. Os outros, a maioria, alheada e despojada, cala-se e sobrevive. 

2. Na semana em que a rede de oxigénio do Amadora-Sintra falhou, a diretora de infecciologia afirmou: «A falta de honestidade e transparência é o pior que a liderança do Ministério da Saúde tem». E eu acrescento: o pior é tudo. 

3. Francisco Soares demitiu-se, mas o problema é que nunca devia ter sido nomeado. E quem o nomeou vai continuar a fazer estragos. Com essa escolha para coordenar uma ação que, por razões materiais e morais, não poderia falhar, a ministra conseguiu o que parecia impossível: a balbúrdia. É que, considerando a dimensão do país e o reduzido número de doses, até se tratava de uma operação simples...
 
4. Será que as vacinas à venda na Ucrânia terão ido de Portugal? Com alguns ucranianos pouco estimáveis que também aparecem por cá, não admiraria...

5. Rui Oliveira e Costa, o experiente responsável técnico da Eurosondagem, fez um exercício interessante neste jornal: extrapolou os resultados das presidenciais para as legislativas (nos casos em que os candidatos se assumiram como partidários). Resultado: o Chega cresceria para 19-22 deputados (7 em Lisboa!), e a IL chegaria aos 4 lugares. No sentido inverso, a CDU ficaria com 4 ou 5 deputados, e o BE teria entre 3 e 4. 
Mas como o Chega terá mais votos do que Ventura, a minha aposta é que chegará aos 30 deputados. E depois? Depois... quando a malta do PSD perceber que só com AV o partido chegará ao poder, será a debandada.

6. Sucesso previsível, que coloca AV – e os poucos que terá com ele capazes de pensar – perante um desafio de monta: atrair e preparar deputados.
Se a política fosse como o futebol (e em muito é), diria que não há ninguém que valha a pena ir buscar ao clube CDS em extinção. Com uma exceção, que ‘vale milhões’: Cecília Meireles. Com AV, a melhor parlamentar na AR. Se for patriota e democrata, e tiver coragem, irá.
Lembram-se da cena triste numa Comissão Parlamentar em que Cecília Meireles reduziu Ana Gomes a menos do que... nada?

7. O que vai conduzir à irrelevância o PS – fragilizando a democracia é o que tornou residual o PS francês: a cedência à extrema-esquerda, o deslizamento para as suas causas. E a que se deve essa degenerescência que António Costa está a patrocinar? Infeção ideológica, ilusão de poder absoluto?
A diferença de Pedro Nuno Santos, sôfrego de poder, é querer acelerar o processo, tal como a irmã gémea e sócia, Ana Gomes. 
Estamos, portanto, no início do esquartejamento do PS de Mário Soares, da sua irrelevância, com os ‘vivas’ dos muitos que lá estão porque, se não estivessem, não teriam jobs. E outros a calarem-se, porque o servilismo vicia. É o ‘antagonismo dialético’...

8. Chegaram os médicos alemães para nos ajudarem. E se nos enviassem também uma ministra?