Internacional

Papa ordena cortes nos salários dos cardeais para salvar empregos

Pandemia afeta finanças da Santa Sé. Cortes têm objetivo de salvar postos de trabalho dos que recebem ordenados mais baixos.


O Papa Francisco ordenou um corte de 10% nos salários de cardeais, de forma a salvar os empregos de outros funcionários. O anúncio foi feito esta quarta-feira pelo Vaticano.

Francisco emitiu um decreto no qual introduz cortes proporcionais a partir de 1 de abril. Os funcionários com salários mais baixos não serão afetados pelos cortes. Os cardeais vão sofrer um corte de 10%, enquanto outros chefes de departamento vão ver os seus salários reduzidos entre 3 e 8%. Além da Basílica de São Pedro, no Vaticano, a medida também se aplica a altos funcionários de outras basílicas papais.

Já os aumentos salariais previstos serão suspensos até março de 2023.

Segundo um porta-voz do Vaticano, o Papa defendeu sempre que não queria despedir pessoas e por isso decidiu cortar nas remunerações.

Os cardeais que trabalham no Vaticano e em Roma recebem salários de cerca de quatro a cinco mil euros por mês, segundo a imprensa internacional.