Internacional

Bolsonaro condenado a indemnizar jornalista por danos morais

Patrícia Campos Mello processou Bolsonaro depois de, em fevereiro de 2020, o chefe de Estado brasileiro insinuar que a jornalista tentou obter uma notícia contra si em troca de favores sexuais com uma fonte. 


O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, foi condenado por um tribunal de São Paulo a pagar uma indemnização à jornalista Patrícia Campos Mello, do diário Folha de S. Paulo, por danos morais. A sentença é passível de recurso.

Segundo a imprensa brasileira, o tribunal decidiu que Bolsonaro terá de pagar 20 mil reais (cerca de 2.900 euros) à jornalista.

Patrícia Campos Mello processou Bolsonaro depois de, em fevereiro de 2020, o chefe de Estado brasileiro insinuar que esta tentou obter uma notícia contra si em troca de favores sexuais com uma fonte. "Ela queria..., ela queria um furo. Ela queria dar o furo [risos] a qualquer preço contra mim", afirmou na altura Jair Bolsonaro.

A jornalista é autora de artigos de investigação sobre uma organização que espalhou notícias falsas através da aplicação WhatsApp contra o Partido dos Trabalhadores (PT) durante a campanha presidencial de 2018, que deu a vitória a Bolsonaro.

Em janeiro, Patrícia Campos Mello já tinha conseguido vencer outra batalha judicial contra Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente, também por danos morais, depois de este afirmar em maio de 2020 que a jornalista tinha "tentado seduzir" um empregado de uma empresa de marketing digital para obter informações para a sua investigação.

Na sentença agora proferida, a juíza declarou que que “restou evidente ter o réu no exercício individual do direito à liberdade de expressão violado a honra da autora, causando-lhe dano moral, devendo, portanto, ser responsabilizado” e que “a utilização da palavra 'furo' em relação à autora repercutiu tanto na mídia como também nas redes sociais, expondo a autora”.

A decisão estabelece ainda que Bolsonaro deve pagar as despesas processuais.