À Esquerda e à Direita

Quando se confunde assédio com sedução

Com tanto assédio na praça pública já há mulheres que se queixam da falta de serem seduzidas.


Ponto prévio. Tenho o maior desprezo e repugnância por quem assedia sexualmente pessoas que dependem de si. O Estado tem de arranjar maneiras de penalizar essas pessoas e defender as vítimas.

Posto isto, penso que o histerismo à volta deste tema tem provocado uma enorme confusão em muitas mentes. Confunde-se assédio com propostas indecentes e, mais grave ainda, com violações. Os relatos que nos chegaram de ginastas  olímpicas dos EUA ou da Austrália, por exemplo, revolvem-nos o estômago. Como foi possível deixar-se alguém [treinadores] durante tanto tempo abusar de crianças? O mesmo se passa nas paróquias onde padres violaram os acólitos. Esse é um cenário aterrador, mas a moda do Me Too permitiu que, de repente, toda a gente tivesse sido assediada.  E é feio denunciar sem dizer quem foi o sacana que assediou. Já li algumas figuras dizerem que foram assediadas em determinada altura, deixando vários chefes em causa. Isso é aceitável? Não me parece.

Depois, para alimentar o folclore do tema, vi até personagens a dizerem que tinham sido assediadas em discotecas! E aqui pensei que não estava a ler bem. Há muitos anos, teria menos de 20, fui ao Trumps com uma amiga e os empregados faziam questão de porem a língua de fora a 10 centímetros de mim. Protestei e alguém da casa veio ter comigo e explicou-me que eu não estava a comportar-me como devia. Percebi que ou deixava de ligar àquele comportamento ou ia-me embora. Penso que foi o que fiz.

Mas quem é que em determinadas discotecas, se não se puser a pau, não é apalpado? Quantos amigos não ‘ensinei’ a dançar com o cotovelo para trás, para que se aparecesse algum artista mais lançado ser travado com o cotovelo no peito?

Por ser em discotecas da moda o assédio não existe? Para mim, assédio, no caso em apreço, é alguém perseguir outra pessoa e querer tocar-lhe ou importuná-la depois de ter sido avisado que bateu na porta errada.

Mas a história do assédio sexual transformou-se numa espécie de guerra entre a SIC e a TVI. Sempre que alguém denunciava uma figura de um canal, logo aparecia outra pessoa a apontar o dedo ao canal concorrente. Também houve muita vontade de uma certa inteligência querer dizer que o assédio sexual é coisa de homens com mulheres, o que daria vontade de rir se o assunto não fosse sério. Quantas profissões não têm homossexuais em cargos importantes? Tirando o futebol – onde o armário está bem fechado –, muito poucas.

É óbvio que muitas das denunciantes têm razão, e que não descreveram antes os casos por falta de coragem – embora tantos anos depois pareça um pouco estranho alguém vir dizer que recebeu uma proposta indecente.

Se o assunto é muito sério para quem é assediado, não deixa de ser tão sério para quem não assediou e ficou com a fama. Sabemos muito bem que pessoas mal resolvidas por vezes são capazes de tudo para se vingarem da pessoa que as deixou. E quantas carreiras não se destruíram à conta disso.

Termino com o apelo de uma amiga: ‘Vítor, vê se consegues escrever que há mulheres que estão a ficar desesperadas porque os homens têm medo de meter conversa’. E não estou a falar de alguém que tenha problemas de relacionamentos, e já não é a primeira que me diz o mesmo. Com este histerismo, entre o que é verdade e o que é folclore, muitos homens têm medo de dizer uma laracha. E não estamos a falar de pessoas com ligações profissionais.

vitor.rainho@sol.pt