Economia

CIP. Um quinto das empresas em teletrabalho reduziu custos de energia

Confederação Empresarial de Portugal diz ainda que “o teletrabalho foi improviso” na maior parte das empresas.


Um terço das empresas (33%) recorreu ao teletrabalho em maio e mais de um quinto (21%) registou uma redução nos custos de energia com este regime. Esta é uma das principais conclusões do 15.º inquérito realizado no âmbito do projeto Sinais Vitais, desenvolvido pela Confederação Empresarial de Portugal (CIP), em parceria com o Marketing FutureCast Lab do ISCTE.

Das empresas que adotaram o regime de teletrabalho, 8% diz ter registado uma quebra nos custos com despesas de deslocação e de natureza comercial (viagens, estadias, gasóleo, estacionamento) e 3% indicaram redução dos custos operacionais com telecomunicações e internet.

Do lado contrário, há quem tenha visto os custos subir: 33% das empresas referiram um aumento dos custos com aquisição de equipamentos informáticos, 29% viram crescer os “custos da distância dos trabalhadores e dificuldades de interação” e 27% tiveram despesa com com sistemas de segurança informática (cibersegurança). A compra de equipamentos informáticos, por exemplo, foi outro dos gastos que cresceu.

A verdade é que a maioria das empresas inquiridas (68%) classificou como “nada significativo” o impacto da redução de custos do teletrabalho.

Ainda no que diz respeito ao teletrabalho, no mês de maio 67% das empresas inquiridas não recorreram a este regime, enquanto 33% indicaram ter recorrido. Destas, 28% tinham apenas 28% dos seus trabalhadores em trabalho remoto.

A CIP não tem dúvidas que as empresas não estavam preparadas para o teletrabalho e que muitas o fizeram por “improviso”. “O teletrabalho foi improviso na maior parte dos casos, uma medida para travar o contágio”, disse Armindo Monteiro, na apresentação do inquérito, acrescentando que “as empresas e os trabalhadores não estavam preparados, o esforço de todos foi notável a adaptar à medida”.

Por isso, não tem dúvidas: a utilização deste regime durante a pandemia “não foi nem de perto nem de longe exemplo do que pode ser o teletrabalho”. “Ninguém pode dizer que ganhou com o teletrabalho”, atirou ainda.